Mundo

Índia inicia grande campanha de vacinação e Pfizer planeja reduzir atraso na entrega das doses

Índia inicia grande campanha de vacinação e Pfizer planeja reduzir atraso na entrega das doses

Funcionário de crematório na cidade alemã de Meissen (leste) transporta caixões de vítimas do coronavírus - AFP

A Índia iniciou neste sábado (16) sua grande campanha de vacinação contra o coronavírus, com o objetivo de inocular inicialmente 300 milhões de seus 1,3 bilhão de habitantes, enquanto a farmacêutica Pfizer anunciava que poderia reduzir o atraso na entrega das doses que havia indignado a Europa.

“Já vi pessoas morrerem”, disse Santa Roy, funcionário de um hospital da cidade de Calcutá, ao resumir a esperança depositada na campanha indiana, que começa com profissionais de saúde. “Agora temos um vislumbre de esperança”, acrescentou.

O objetivo é gigantesco: injetar as duas doses o mais rápido possível em 30 milhões de cidadãos do setor de saúde e dos grupos mais vulneráveis, e depois alcançar um total de 300 milhões de vacinados em pouco mais de seis meses.

A covid-19 já matou mais de dois milhões de pessoas e os países estão simultaneamente enfrentando novas variantes do vírus e lançando campanhas de vacinação.

A Pfizer, associada ao laboratório alemão BioNTech, anunciou um “plano” que permitirá limitar a uma semana o atraso na entrega da vacina, enquanto a Europa temia um prazo mais longo, de “três a quatro semanas”.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

“A Pfizer e a BioNTech desenvolveram um plano que permitirá aumentar a capacidade de fabricação na Europa e entregar muito mais doses no segundo trimestre”, anunciaram as duas empresas em um comunicado conjunto.

“Voltaremos ao cronograma inicial de entregas na União Europeia a partir da semana de 25 de janeiro, com um aumento nas entregas a partir da semana de 15 de fevereiro”, afirmaram.

A Pfizer alertou na sexta-feira que devido às obras em uma unidade de produção em Puurs, na Bélgica, atrasaria as entregas, notícia que provocou uma reação fulminante de vários países europeus, em meio aos piores números de contágio desde o início da pandemia.

– Argentina detecta cepa britânica –

A covid-19 já causou pelo menos 2.009.991 mortes no mundo segundo dados atualizados neste sábado, com pouco mais de 15.000 registradas nas últimas 24 horas. Os países que mais registraram óbitos, de acordo com os últimos balanços oficiais, são os Estados Unidos com 3.465, Reino Unido (1.280) e Brasil (1.151).

Os Estados Unidos são o país com mais vítimas em números absolutos, mas a Bélgica é o que apresenta a maior taxa de mortalidade por 100.000 habitantes (176).

Na Amazônia brasileira, a situação é pior do que durante a primeira onda da pandemia e pode causar a implosão do sistema de saúde, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apareceu na região uma mutação do coronavírus, a terceira oficialmente detectada até agora no mundo, depois da britânica e da sul-africana, fenômeno que mantém as autoridades sanitárias do planeta em alerta.

Essas mutações não conhecem fronteiras e, assim, a Argentina anunciou no sábado que havia identificado o primeiro caso da cepa britânica. E a Itália interrompeu voos do Brasil.

Os contágios na América do Sul, porém, não podem ser explicados exclusivamente pelas novas variantes da covid-19. “Também foi tudo o que não fizemos que causou” essa nova onda, criticou o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan.

A Colômbia prolongou o fechamento de suas fronteiras terrestres e fluviais até 1º de março em uma tentativa de conter a pandemia.

A Bolívia nomeou um novo ministro da Saúde, Yeyson Marco Auza, para substituir Édgar Pozo, de 72 anos, que está isolado após contrair a doença e teme não conseguir retomar suas funções.

– Espanha descarta confinamento domiciliar –

Por regiões, a Europa aparece como a mais afetada, com 653.087 mortes, seguida pela América Latina e Caribe (545.472) e Estados Unidos e Canadá (409.842), segundo a contagem da AFP deste sábado às 8h do horário de Brasília.

Na Espanha, os casos aumentaram 168% e as críticas internas se intensificavam. Cinco regiões pediram ao governo central que voltasse ao regime de confinamento domiciliar estrito, mas o ministro da Saúde, Salvador Illa, declarou neste sábado que não tem essa intenção.

A França iniciou seu novo toque de recolher no sábado, às 18h (14h no horário de Brasília), um dia depois de Portugal começar um novo confinamento, embora com escolas abertas.

Cerca de 10.000 manifestantes voltaram às ruas em Viena para protestar contra a imposição do uso de máscaras e as restrições em vigor na Áustria.

– A esperança das vacinas –

As esperanças no mundo para virar a página da pandemia estão voltadas para as vacinas, das quais já foram administradas ao menos 35,61 milhões de doses em 58 países e territórios, segundo uma contagem da AFP com base em fontes oficiais.

Essas campanhas de vacinação precisam se generalizar em todo o mundo, “nos próximos 100 dias”, exigiu o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Um dia depois de prometer um plano de estímulo financeiro de 1,9 milhão de dólares, o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, se comprometeu na sexta-feira a acelerar a campanha de vacinação estabelecendo “milhares” de centros comunitários.

A esperança por uma vacinação generalizada não evita as acusações políticas.

O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, novamente acusou Pequim de encobrir a verdadeira origem do vírus, um dia após a chegada de uma equipe da OMS a Wuhan, cidade chinesa onde surgiu a pandemia, para investigar o assunto.

O diplomata disse que doenças semelhantes à covid-19 já estavam circulando no outono de 2019 entre a equipe do Instituto de Virologia de Wuhan e instou os especialistas da OMS a “pressionar o governo da China” com essa “nova informação”.

Pequim está conduzindo uma intensa campanha de relações públicas em todo o mundo para combater acusações como essa.

De acordo com altos funcionários filipinos, o chefe da diplomacia chinesa, Wang Yi, prometeu doar meio milhão de doses da vacina criada por seu país.

Uma doação de um milhão de doses para o Camboja foi anunciada anteriormente.

burs-jz/tjc/ic

Veja também

+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Aprenda 5 molhos fáceis para aproveitar o macarrão estocado
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago