A semana

Independência bipolar

CATALUNHA
Independência bipolar

Adeptos da secessão catalã passaram rapidamente da euforia à tristeza: vaivém no sonho de ser livre (Crédito:GONZALO FUENTES)

Entre o impasse ou o confronto, o presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, ficou com a primeira alternativa – não dá para saber se tentou livrar da ruína econômica os seus governados, mas com certeza a sua estratégia visou a salvar a própria pele. Na terça-feira 10 ele levou à euforia os radicais do movimento secessionista que querem para já a independência da Catalunha em relação à Espanha. Com todas as letras, Puigdemont declarou a região independente, acatando enfim o resultado do plebiscito do início do mês: 90% dos 42% dos catalães que foram as urnas votaram pela separação. A festa durou pouco. Na mesma terça-feira, ele deu prazo indefinido de “algumas semanas” para que conversações diplomáticas sejam retomadas com o governo espanhol, agradando, dessa vez, a ala moderada dos que pregam a secessão. Ficou o dito pelo não dito, e Puigdemont atrapalhou-se todo ao declarar que a proclamada independência fora somente um “ato simbólico”. Na verdade, ele sabe que não adianta endurecer, porque já aumenta a cada dia o número de empresas que deixam a região – e o menor radicalismo levaria à profunda crise econômica. Mais: para ser aceito na União Europeia, qualquer país precisa da anuência unânime dos demais membros – e no caso em questão, nem uma criança acreditaria que a Espanha votaria pela aceitação. Puigdemont fez o que dava para fazer na semana passada e, assim, preferiu empurrar o impasse. Se a tática funcionará ou não, isso logo se saberá. O governo da Espanha pediu que até a segunda-feira 16 sejam apresentados “esclarecimentos formais”, e já acena com a restrição da autonomia da região catalã, medida plenamente legal e prevista na legislação do país.

em cada 10 brasileiros assumem que já fizeram comentários preconceituosos pelo menos uma vez na vida – contra mulheres, negros e gays. De forma contraditória, no entanto, somente 2, também a cada 10 brasileiros, se consideram racistas, machistas ou homofóbicos. A pesquisa foi feita pelo Ibope. No geral, 17% dos entrevistados responderam “sim” e 83% disseram “não” ao quesito “tem algum tipo de preconceito?”.

PERSONAGEM
O candidato jurado de morte

Editora Globo / Agência O Globo

Nenhum juiz federal no Brasil foi tão jurado de morte como Odilon de Oliveira (foto), que atua no Mato Grosso do Sul – até porque nenhum magistrado enfrentou tanto o narcotráfico como ele. Na semana passada, Odilon se aposentou dando graças a Deus de ter chegado vivo aos 68 anos. Seu último ato foi decretar a prisão preventiva do ex-terrorista italiano Cesare Battisti (já revogada em segunda instância). Esteve então em uma reunião do comando do PDT e foi recepcionado com a expressão “nosso governador”. PSD, PSC e PV também o querem. Odilon segue os passos do ex-juiz Márlon Reis, que formulou a Lei da Ficha Limpa. Márlon filiou-se à Rede e disputará o governo de Tocantins.

HOLLYWOOD
Assédio das estrelas

Cresce o número de atrizes que acusam de assédio ou estupro o magnata e produtor de cinema americano Harvey Weinstein. Entre as estrelas há nomes consagrados: Angelina Jolie, Mira Sorvino, Gwyneth Paltrow. Hervey foi demitido de sua própria empresa, a The Weinstein Company (as leis dos EUA permitem isso). Ele nega, não os assédios, mas sim os estupros.

WALL STREET
Elas saíram ganhando

Mark Lennihan

O State Street Corp. assinou acordo com a Justiça dos EUA: indenizará em US$ 50 milhões cerca de 300 funcionárias que recebiam salários inferiores aos que são pagos a homens, ocupando os mesmos cargos. Detalhe: trata-se do mesmo banco que colocou, diante do famoso touro de Wall Street, a escultura da “Garota Destemida”, denunciando a supremacia masculina
em funções de maior importância.

BRASIL
A filha de Beira-Mar

Fernanda Costa é advogada, tem 32 anos, declara patrimônio de R$ 140 mil e vai assumir uma cadeira na Câmara de Vereadores de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. É filha do traficante Fernandinho Beira-Mar, condenado a 350 anos de prisão e trancafiado desde 2002. Fernanda tem o pleno direito de tomar posse de sua vaga porque, além de ter sido eleita pelo povo, não há nada que pese contra ela na área criminal ou cível. O fato curioso, que faz desse episódio um retratinho do Rio de Janeiro e um retratão do Brasil, é que ela entra na vaga de Sebastião Ferreira da Silva, o “Chiquinho Grandão”, que teve a prisão preventiva decretada sob a acusação de ser miliciano.

 

NOBEL
Economia de carne e osso

SCOTT OLSON

Professor da Universidade de Chicago e um dos formuladores da denominada Teoria da Economia Comportamental, o americano Richard Thaler, 72 anos, ganhou o Nobel de Economia. Pode-se dizer que, dessa vez, impenetráveis fórmulas e intrincados cálculos cederam a vez para uma economia de carne e osso – e é o próprio Thaler quem tirou de cena o Homo economicus e o substituiu pelo Homo sapiens. Explica-se: seus estudos privilegiam o papel das emoções e dos impulsos humanos na dinâmica financeira, desde a compra de algo de que não se precise até o gasto milionário em um cassino na ilusão do enriquecimento fácil. Para Thaler, não é a fria racionalidade mas sim o comportamento emocional que move a economia.