Economia

Incerteza sobre negociação entre China-EUA pesa e dólar fecha em alta a R$ 4,14

Crédito: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Mais do que a expectativa sobre as decisões de política monetária tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos – em que não se aguardam surpresas – amanhã, os investidores do mercado de câmbio operaram na sessão desta terça-feira, 10, sob a expectativa de mais sinalizações que podem surgir nos dias que antecedem eventual armistício na guerra comercial sino-americana. Assim, o dólar à vista encerrou o pregão na marca dos R$ 4,14, com volume mais contido e oscilando num range entre R$ 4,15 e R$ 4,13.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Indicações de que não haveria um acordo efetivo, mas, sim, um adiamento das negociações, deixaram os agentes acautelados. Durante o dia de hoje autoridades americanas foram dando recados a conta-gotas. À tarde, o diretor do Conselho Econômico Nacional dos Estados Unidos, Larry Kudlow, afirmou que as tarifas programadas para os produtos chineses em 15 de dezembro ainda estão “sobre a mesa”.

Mais cedo, o secretário do Comércio americano, Wilbur Ross, disse em entrevista à emissora Fox Business: “Fechar um acordo um dia antes, no dia 15, um dia depois ou uma semana depois é muito menos importante do que obter o acordo certo”.

“Os Estados Unidos não devem aumentar as tarifas, apenas estender o prazo de negociações. Para o câmbio ficar ruim vai depender de como o assunto for trazido”, ressalta José Faria Junior, diretor da Wagner Investimentos. Nesse contexto, ele lembra que a relação de forças está no comércio exterior, uma vez que dados mais recentes das exportações chinesas recuaram 1% contra retração de 23% das americanas. “Para o câmbio ficar ruim, de fato, os Estados Unidos terão de anunciar um aumento de tarifas contra a China.”

Diante desse panorama incerto, as definições sobre política monetária, consideradas praticamente dadas, ganham menor atenção. Muito embora o diferencial de juros aumente com a decisão do Copom, por outro lado, o diretor lembra que está perto do fim o movimento sazonal de envio de remessas de lucros e dividendos pelas empresas. Além disso, há perspectivas de ingresso de recursos tanto em direção à Bolsa como pelas perspectivas de aumento do volume financeiro das exportações nacionais com a futura safra agrícola.

O dólar à vista fechou o dia em alta de 0,47%, a R$ 4,1488. Para janeiro, a moeda marcou R$ 4,1500 (+0,08%). O giro no mercado de câmbio no futuro foi de US$ 16,4 bilhões.

Veja também

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Fotos de biquíni de Thaynara OG fazem sucesso e influenciadora revela: “Me sentia reprimida”

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Tópicos

dólar