Cinquenta pessoas, a maioria delas de origem indiana, morreram no Kuwait em um incêndio que deflagrou na quarta-feira em um edifício onde viviam trabalhadores estrangeiros, disse nesta quinta-feira (13) o ministro das Relações Exteriores do Kuwait, Abdallah al-Yahya.

“Um dos feridos morreu ontem à noite ou esta manhã”, elevando o número de mortos para 50, disse o ministro.

O incêndio, que também deixou cerca de 40 feridos, ocorreu nos arredores de Mangaf, localidade situada ao sul da capital do Kuwait.

Questionado sobre a nacionalidade das vítimas, o chefe da diplomacia do Kuwait declarou que “a maioria dos mortos são indianos”.

O Departamento de Trabalhadores Migrantes de Manila relatou a morte de três trabalhadores filipinos por inalação de fumaça.

Grande parte da população do país do Golfo é composta por estrangeiros, a maioria deles do Sul e Sudeste Asiático, empregados nos setores de construção ou de serviços.

Abdallah al-Yahya disse ter conversado com o seu homólogo indiano, o ministro das Relações Exteriores Kirti Vardhan Singh, que chegou ao Kuwait na quarta-feira para organizar o repatriamento das vítimas.

“Estamos colaborando em tudo o que for necessário”, disse o ministro do Kuwait, antes de acrescentar que os corpos serão repatriados a bordo “de um avião indiano”.

O Kuwait decidiu pagar uma indenização às famílias das vítimas, declarou o ministro, sem dar mais detalhes.

O incêndio teve origem nos andares inferiores de um edifício que abrigava cerca de 200 trabalhadores e as suas causas ainda não foram determinadas.

Os proprietários do edifício foram presos e a sua possível negligência está sendo investigada, disse o ministro do Interior do Kuwait, Fahd al-Youssef.

str/mh/vl/amp/aa