Impeachment: Por que Maia ainda não analisou nenhum dos mais de 30 pedidos

Crédito: Sérgio Lima

(Crédito: Sérgio Lima)


O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) já tem mais de 30 pedidos de impeachment sobre sua mesa na Presidência da Câmara e a pergunta que todos fazem é: por que ele ainda não analisou nenhum?

Talvez todos preencham os dispositivos constitucionais para se dar início ao processo de afastamento do presidente. Mas, se isso é verdadeiro, por que Maia não deflagra o processo?

A questão foi recentemente levantada pelo jurista Ives Gandra Martins, que analisou o impeachment de Collor e foi autor do processo de impedimento de Dilma. Segundo ele, a questão jurídica é a mais simples em uma ação dessa natureza, pois Bolsonaro infringiu várias leis, ao interferir na PF ou ao incentivar atos contra o Congresso e STF.

Engavetador

A questão é: há clima no Congresso? Não parece haver. A oposição está desorientada e nem Lula defende o “Fora Bolsonaro”. O ex-presidente Fernando Henrique acha o processo traumático. Para ele, ou o impeachment vem do Congresso ou vem das ruas. E não há pressão popular. Aí, Maia engaveta tudo.

Veja também
+ Corpo de Gabby Petito é encontrado, diz site; legista afirma que foi homicídio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.