Economia

Ilan: País precisa continuar com ajustes e reformas, especialmente da Previdência

Prestes a deixar o cargo, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse nesta terça-feira, 15, durante apresentação em Genebra, na Suíça, que o Brasil precisa continuar com os ajustes e reformas, especialmente a da Previdência, para assegurar a confiança dos agentes na sustentabilidade fiscal e conseguir maior crescimento. A apresentação foi publicada pela instituição nesta terça na internet.

Ilan reforçou em seu discurso que o Brasil fez progressos recentes na agenda de reformas, incluindo a trabalhista e a instituição de um teto para a alta dos gastos públicos, além da Agenda BC+, um conjunto de medidas para melhorar a eficiência do sistema financeiro.

Ao falar do caso brasileiro, Ilan destacou no discurso o foco no sistema de meta de inflação e afirmou que a política monetária não deve reagir para estabilizar a taxa de câmbio ‘per se’. O Brasil, disse ele, tem “amortecedores” para resistir a choques, entre eles, o nível robusto de reservas internacionais, um regime de câmbio flutuante e um robusto balanço de pagamentos, além de inflação baixa e expectativas ancoradas para os índices de preços.

Na parte inicial da apresentação, ao falar de mercados emergentes como um todo, Ilan afirmou que estas economias precisam seguir avançando na agenda de reformas estruturais com o objetivo de melhorar os fundamentos e aumentar o nível de resistência das economias. “Os amortecedores devem ajudar a suavizar o processo de ajuste”, afirmou o presidente do BC.

“A política monetária é desafiadora nos mercados emergentes”, disse ele, destacando que a política fiscal está frequentemente sob escrutínio dos agentes e os BCs precisam constantemente fortalecer a credibilidade. No geral, os emergentes têm experimentado maior instabilidade macroeconômica que os países desenvolvidos, sendo vulneráveis a “paradas repentinas” e choques de maior magnitude. “A liquidez reduzida pode produzir contágio”, afirmou ele.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Como reflexo, as moedas dos emergentes têm tido maior volatilidade, assim como a inflação e o Produto Interno Bruto (PIB) destes mercados.

Sobre os efeitos recentes nos emergentes, Ilan mencionou o aumento da aversão ao risco no mercado financeiro mundial em meio a temores de desaceleração da economia do planeta e incertezas sobre disputas comerciais, além de dúvidas sobre o processo de normalização da política monetária nos países desenvolvidos. Casa país foi afetado de forma diferente, disse o presidente do BC, destacando que o impacto dependeu da situação das contas externas, da política fiscal e do nível de autonomia do BC.

O presidente do BC fez palestra nesta terça-feira na “City Lecture”, em evento organizado na Suíça pelo Centro Internacional de Estudos Monetários e Bancários, em Genebra.

Veja também

+ Aprenda 5 molhos fáceis para aproveitar o macarrão estocado
+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cozinhas coloridas: veja dicas essenciais para apostar em projetos alegres, modernos e joviais
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica

v

Tópicos

Genebra Ilan reformas