Economia

IBGE: pandemia foi justificativa mais citada para não procura por trabalho

Além de ter inflado a população inativa para um recorde de 77,781 milhões de pessoas no trimestre até junho, a pandemia do novo coronavírus também mudou a resposta sobre o motivo dessas pessoas não estarem em busca de emprego, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

“Houve uma mudança importante dos motivos alegados”, ressaltou Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Quase 40% das pessoas que integravam a força de trabalho potencial no primeiro trimestre apontaram a falta de trabalho na localidade em que residiam como principal razão para não buscar uma vaga. No segundo trimestre, esse motivo foi mencionado por 30% dessa população, enquanto 36,7% entraram no quesito “Outro motivo”, item até então inexpressivo entre todos os mencionados.

“Dentro desse outro motivo, o que predomina dentro dele são fatores ligados à pandemia. A pessoa alega que não está procurando trabalho por causa da quarentena da covid-19, porque tem medo de pegar a doença, porque o comércio está fechado por causa da pandemia, ah, sou do grupo de risco e posso pegar covid… Mas são motivos ligados ao ambiente da pandemia”, explicou Adriana.

A força de trabalho potencial alcançou um recorde de 13,542 milhões de pessoas no trimestre até junho, superando pela primeira vez o total de desempregados, que foi de 12,791 milhões.

“Pela primeira vez tenho mais pessoas com potencial de pressionar o mercado de trabalho do que as pessoas que efetivamente estão pressionando”, apontou a analista do IBGE.

O total de desalentados atingiu um ápice de 5,683 milhões, mas esse número poderia ter sido ainda maior, não fosse a metodologia da pesquisa. Pela regra atual, as pessoas que não buscaram uma vaga mas estavam aptas a trabalhar são consideradas desalentadas apenas se o motivo de não terem procurado emprego estiver ligado ao mercado de trabalho. O quesito “Outro motivo”, que inclui os relacionados à pandemia, não é contabilizado no cálculo do desalento.

“O aumento no desalento poderia ser ainda maior se o motivo para não procura fosse recodificado como item de mercado. Com a recodifição desse processo, o desalento poderia explodir”, afirmou Cimar Azeredo, diretor-adjunto de Pesquisas do IBGE.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea