Economia

IBGE: falta de insumo da China com covid-19 explica queda em informática e eletro


Os efeitos negativos da pandemia do novo coronavírus sobre a produção industrial nacional ficaram restritos, em fevereiro, à fabricação de equipamentos de informática e eletroeletrônicos, por causa da falta de matérias-primas vindas da China, primeiro país atingido pela covid-19. A avaliação é de André Macedo, gerente da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que espera efeitos mais generalizados sobre a indústria a partir de março.

Segundo Macedo, o efeito pode ser observado no desempenho da produção dessa atividade, com queda de 5,8% ante janeiro e tombo de 10,6% na comparação com fevereiro de 2019.

“É uma atividade que tem correlação com importação de matérias-primas da China”, afirmou Macedo, lembrando que, em fevereiro, o país asiático já estava adotando medidas de isolamento social e fechando fábricas. Nas unidades brasileiras, em fevereiro, ainda não havia registros de nenhuma parada de produção por causa de medidas de isolamento.

A partir de março, o quadro é diferente. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a covid-19 como pandemia e o Brasil começou a adotar medidas de isolamento social em vários Estados.

“Dado que, em março, já se observa o fechamento de unidades produtivas, com concessão de férias coletivas e medidas de isolamento social, é claro que isso vai trazer impactos negativos para a indústria como um todo”, afirmou Macedo.