Mundo

Hugo Chávez era “Camelo” em planilhas da Odebrecht

Hugo Chávez era “Camelo” em planilhas da Odebrecht

Hugo Chávez (D), presidente da Venezuela, faz um discurso durante um ato realizado no palácio presidencial de Miraflores, juntamente com o presidente da Assembléia Nacional Nicolas Maduro, em Caracas, em 6 de janeiro de 2006 - AFP/Arquivos

Investigações realizadas por autoridades suíças e venezuelanas apontam que Hugo Chávez, ex-presidente da Venezuela, pagou dívidas atrasadas com a construtora Odebrecht e deu contratos bilionários para a empresa brasileira após a criação de um canal para subornos ser estabelecido na Suíça. As informações são do jornalista Jamil Chade, do UOL.

As propinas ao governo de Chávez, falecido em 2013, eram marcadas com a palavra “Camelo”. Fontes ligadas à Odebrecht afirmar que o apelido se referia diretamente ao ex-presidente venezuelano nas planilhas. Héctor Dager Gaspard, homem que intermediava os pagamentos à cúpula de governo da Venezuela, também é investigado pelas autoridades suíças.

Entre julho de 2008 e março de 2016, as autoridades suíças estimam que foram pagos 49 milhões de dólares – aproximadamente R$ 185 milhões – direta ou indiretamente pela construtora ao operador venezuelano. A estimativa, no entanto, é de que o valor pode chegar a quase 65 milhões de dólares.

Os investigadores ainda conseguiram identificar quais foram as obras que motivaram os pagamentos de subornos. A hidroelétrica de Tocoma, a Linha 5 do metrô de Caracas, as obras da Ponte Nigale e o projeto El Diluvio Palmar – com foco na produção agrícola – foram indicados como os que fizeram os subornos serem pagos pela Odebrecht.