Economia

Honda vai transferir produção da fábrica de Sumaré para a de Itirapina

A Honda anunciou nesta terça-feira, 3, que decidiu transferir a sua produção de automóveis no Brasil da sua fábrica em Sumaré para a de Itirapina, ambas no interior de São Paulo, a partir de 2019. Com a mudança, a fábrica de Itirapina, inaugurada em 2015 e até hoje nunca utilizada, vai finalmente entrar em operação. A de Sumaré, por sua vez, vai se dedicar à produção de motores e componentes, desenvolvimento de automóveis, estratégia e gestão dos negócios do grupo. A alteração vai ocorrer de forma gradual, com previsão de ser concluída em 2021.

A demora em iniciar a produção em Itirapina se deve à crise econômica. Quando a montadora planejou essa segunda fábrica, no início da década, o mercado de automóveis crescia e a expectativa era que continuasse crescendo. No entanto, como a crise derrubou as vendas, o início da operação não se justificava mais, uma vez que a unidade de Sumaré era suficiente para atender à demanda. Itirapina, com isso, passou a esperar que o mercado voltasse a crescer para que pudesse começar a produzir.

A unidade de Sumaré, que tem condições de produzir 120 mil automóveis por ano em dois turnos, tem operado no limite da sua capacidade. Em razão disso, os executivos da Honda costumavam dizer que, para a segunda fábrica entrar em operação, o mercado tinha de subir pelo menos 50%. Assim seria possível abrir pelo menos um turno em Itirapina, que tem a mesma capacidade de Sumaré.

Contudo, em vez de ampliar o volume produzido com a abertura da segunda fábrica, a Honda decidiu transferir a produção de uma para outra, mesmo com o crescimento registrado pelo mercado em 2017 e no primeiro trimestre de 2018. A montadora alega que a recuperação do setor observada até então ainda está abaixo do que foi projetado quando a segunda fábrica foi planejada.

A empresa diz também que a segunda fábrica tem a vantagem de ser equipada com tecnologia mais atualizada. “A nova unidade é o resultado de um projeto mais moderno e, consequentemente, mais eficiente do ponto de vista de produtividade, com melhor flexibilidade para atender às demandas tecnológicas para atualizações em nossa linha de automóveis”, afirma a montadora em nota.

A unidade de Itirapina, que foi construída com investimento de R$ 1 bilhão, vai iniciar as atividades em 2019 com a produção do modelo Fit e vai contar com a ajuda de funcionários da fábrica de Sumaré, que serão transferidos.

Antes, a montadora falava que a segunda fábrica, quando começasse a produzir, poderia gerar até 2 mil empregos. Porém, mesmo com a previsão de início da operação em 2019, não há expectativa de contratação. Os primeiros volumes de produção serão tocados somente pelos funcionários transferidos de Sumaré, além de outros 30 trabalhadores que já estavam em Itirapina realizando a manutenção da fábrica.