Comportamento

Hitler poderia ter publicado anúncios antissemitas no Facebook, diz comediante Sacha Baron Cohen

Hitler poderia ter publicado anúncios antissemitas no Facebook, diz comediante Sacha Baron Cohen

O ator britânico Sacha Baron Cohen em Hollywood, em julho de 2019 - AFP


Adolf Hitler poderia ter difundido anúncios antissemitas no Facebook se a rede social existisse na década de 1930, disse o ator e comediante Sacha Baron Cohen, para pressionar a plataforma a classificar anúncios políticos.

“Se você pagar, o Facebook transmitirá toda a publicidade ‘política’ que você quiser, mesmo que contenham mentiras”, disse na quinta-feira à noite em uma conferência organizada em Nova York pela organização de luta contra o antissemitismo ADL (Liga Anti-Difamação).

“A partir desta lógica retorcida, se o Facebook existisse na década de 1930, teria deixado que Hitler publicasse anúncios de 30 segundos sobre sua ‘solução para o problema judaico'”, disse o britânico, conhecido por seu gosto pela provocação e a polêmica, tanto no cinema como na televisão.

Cohen, que interpretou uma série de personagens iconoclastas no cinema, como Borat e Brüno, chamou a rede social a verificar o conteúdo dos anúncios antes de lançá-los.

“Quando os anúncios forem falsos (trouxerem informações falsas), devolvam o dinheiro e não publiquem”, sugeriu.


+ Mulher é presa por não devolver R$ 6,8 milhões que recebeu por engano
+ Família de Schumacher coloca mansão à venda por R$ 400 milhões
+ Pentágono confirma que vídeo com OVNIs em forma de pirâmide é autêntico



O diretor-executivo do Twitter, Jack Dorsey, anunciou no fim de outubro que estava renunciando a todos os anúncios políticos em sua plataforma, exceto a aqueles que promovem boas causas, como a defesa do meio ambiente ou a promoção da igualdade social.

Na quarta-feira, o Google informou que estava endurecendo suas regras sobre publicidade política, incluindo a proibição da publicação de mensagens claramente falsas ou que tenham um direcionamento muito específico aos eleitores.

O Facebook anunciou em setembro que não filtraria os anúncios políticos, por acreditar que, em geral, era interessante que os usuários da Internet os vissem, o que lhe rendeu muitas críticas.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS