Hitler, Calígula e o césar tropical

Os deuses enlouqueciam quem eles queriam matar. Assim nasceu a “hybris” (destempero, em grego), que atingiu protagonistas da tragédia grega, como o rei Agamêmnon, de “A Ilíada”. No caso do capitão Jair Bolsonaro, ao nascer os deuses parecem ter imprimido em sua testa o sinal da “hybris”, dando a ele o poder de alucinar até a morte uma nação de 220 milhões de habitantes. Com mais precisão, o jurista Miguel Reale Junior definiu Bolsonaro como um fera: “O habitat dele é este, o habitat horrendo do mundo das trevas, do mundo da morte, da tortura, da perseguição”.

Em vista do caráter arcaico de suas falas e atitudes, não convém comparar Jair a Adolf ou Benito, como muitos o fazem. O nazista e o fascista eram – com o perdão da heresia – estadistas. Tanto um como outro alimentava projetos de nação: Hitler planejava impulsionar a economia alemã, ao passo que Mussolini ansiava em restaurar o Império Romano. Hitler ordenou a submissão e o genocídio das raças não arianas, algo que não se aplica ao guia nazifasci entreguista brasílico.

Para melhor comparação, Bolsonaro corporificaria o sonho de Benito. Sim, um novo imperador romano! Mas não se trata de um monarca justo, como Augusto ou Marco Aurélio. Jair é análogo aos césares mais notáveis. Calígula, que reinou entre 37 e 41, nomeou cônsul o seu cavalo, Incitatus, e forçou o Senado a homenageá-lo. Entre os anos de 54 a 68, Nero construiu um estádio privado para assistir às torturas de cristãos: denominou-o de Coliseu (Colosseum) para celebrar-se. Após seu suicídio, os três imperadores seguintes mataram-se uns aos outros no intervalo de um ano e meio. Mais tarde, Cômodo, que governou entre 180 e 192, professava a crença no “panis et circenses”, o pão e circo que visava a alienar os cidadãos. Exibia-se em estádios, nos quais combatia lutadores que invariavelmente matava. Quando faltou pão em Roma, decretou cinco dias de jogos gratuitos no já estatizado Coliseu para apaziguar os ânimos. O povo provou que podia viver só com circo. No auge da megalomania, rebatizou Roma de Commodiana. Indiferente ao governo, manteve uma relação de atrito com o Senado.

Abandonado pelos aliados, foi estrangulado por um parceiro de luta, Narciso, enquanto se banhava.

Imperator Bolsonarus, o césar tropical, merece melhor sorte, claro. Mas de uma coisa podemos ter certeza: Calígula, Nero, Hitler e outros tantos ensinaram que todo o governo autocrático costuma terminar mal, mais tarde ou, melhor ainda, mais cedo.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Até déspotas delirantes têm projetos de país. Como há pouco de estadista em Jair, lhe sobram comparações com os mais caricatos imperadores romanos

Veja também

+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Os 4 signos mais psicopatas do zodíaco
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.