Mundo

Histórico de buscas na internet incrimina mãe pela morte das filhas

Histórico de buscas na internet incrimina mãe pela morte das filhas

A polícia do Alasca, nos Estados Unidos, prendeu uma mulher de 23 anos, na última quinta-feira (30), acusada de ter assassinado suas duas filhas, em um intervalo de menos de dois anos. As informações são da CNN.

Stephany Lafountain chamou os serviços de emergência em novembro de 2017, dizendo que sua filha de 1 ano de idade não estava respirando. Uma hora antes, segundo a polícia, suas buscas na Internet incluíam “maneiras de sufocar”, “maneiras de matar humanos sem provas” e “como cometer o assassinato perfeito”.

A criança foi levada para um hospital, mas morreu quatro dias depois.

Após a morte da menina, a polícia deu início a uma grande investigação que apontou que em setembro de 2015 a mãe já havia pedido ajuda quando sua outra filha de 4 meses também “não estava conseguindo respirar”.

A morte daquele bebê não foi tratada como um homicídio na época, mas as semelhanças nos dois casos fizeram com que os investigadores ampliassem sua investigação, disse a polícia em um comunicado à imprensa.

O pai da criança morta em 2017 é militar e não estava em casa no momento do crime. Stephany chegou a ligar para a família do marido, que foi até o local e tentou usar técnicas de salvamento para ressuscitar o bebê, mas quando os socorristas chegaram, a menina já não apresentava sinais de vida.

As autópsias mostraram que as duas crianças eram “inteiramente saudáveis, sem anormalidades genéticas, sem doenças e sem ferimentos” e que foram mortas por asfixia.