Edição nº2606 06/12 Ver edições anteriores

Cultura

História da moda italiana é tema de exposição em São Paulo

SÃO PAULO, 13 NOV (ANSA) – Por Luciana Ribeiro – Recontar a história da moda italiana é retornar ao berço de estilistas renomados que marcaram épocas.   

A mostra “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana”, em cartaz a partir desta quarta-feira (13), até 2 de fevereiro de 2020, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, faz um registro da influência da Itália na formação da cultura de moda internacional.   

Na exposição, o visitante passará por sete décadas de história da moda italiana resumidas em 45 looks de 29 estilistas.   

Os itens foram selecionadas de um acervo de seis mil peças, entre acessórios e vestuários, dos colecionadores Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, e têm curadoria do historiador de moda João Braga. “Todos os looks ajudam a reconstruir três períodos essenciais para o desenvolvimento da moda italiana contemporânea”, explicou o curador à ANSA.   

Segundo Braga, a primeira etapa diz respeito às décadas de 1950 e 1960, quando a indústria na Itália começou a se recuperar da crise pós-guerra sob influência francesa. Neste período, destacam-se produções de grandes nomes do setor, como Emilio Schuberth, as Sorelle Fontana, Roberto Capucci e Emilio Pucci.   

Já o segundo bloco da mostra retrata os anos de 1970 e 1980, época que une trabalhos de estilistas que atualizaram a moda italiana ao associá-la ao design e à produção industrializada, o chamado prêt-à-porter.   

“Nesta parte, é possível conferir looks de marcas famosas como Valentino, Fendi, Giorgio Armani, Franco Moschino, Gianni Versace, sendo que muitas delas receberam influências da moda inglesa, um tanto jovial e transgressora”, explicou Braga.   

A terceira e última etapa da mostra conta com obras do final do século 20 até os dias atuais, mostrando a reinvenção de casas tradicionais, como Prada e Gucci, além de trajes da Dolce & Gabbana, Versace, Roberto Cavalli e Fausto Puglisi.   

De acordo com o historiador, este é o momento “de mais glamour”, no qual a “moda italiana se reconhece no que sempre foi historicamente peculiar: nas intensidades”. “Surge um novo gosto associado aos exageros, exotismos, luxos e outras características de exuberância”, contou Braga. Mais do que mostrar a história e tradição de 70 anos do setor, a exposição tem o “objetivo de evidenciar a fidelidade na formatação da identidade fashion do país”. “A moda italiana é potente pelo uso e combinação de cores, pela presença de estamparia, além da valorização da tradição artesanal”, finalizou.   

Serviço: Mostra: “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana” Data: De 13 novembro 2019 a 2 fevereiro 2020 Entrada Gratuita Local: Instituto Tomie Othake Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo (ANSA)

Cultura

História da moda italiana é tema de exposição em São Paulo

SÃO PAULO, 13 NOV (ANSA) – Por Luciana Ribeiro – Recontar a história da moda italiana é retornar ao berço de estilistas renomados que marcaram épocas.   

A mostra “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana”, em cartaz a partir desta quarta-feira (13), até 2 de fevereiro de 2020, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, faz um registro da influência da Itália na formação da cultura de moda internacional.   

Na exposição, o visitante passará por sete décadas de história da moda italiana resumidas em 45 looks de 29 estilistas.   

Os itens foram selecionadas de um acervo de seis mil peças, entre acessórios e vestuários, dos colecionadores Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, e têm curadoria do historiador de moda João Braga. “Todos os looks ajudam a reconstruir três períodos essenciais para o desenvolvimento da moda italiana contemporânea”, explicou o curador à ANSA.   

Segundo Braga, a primeira etapa diz respeito às décadas de 1950 e 1960, quando a indústria na Itália começou a se recuperar da crise pós-guerra sob influência francesa. Neste período, destacam-se produções de grandes nomes do setor, como Emilio Schuberth, as Sorelle Fontana, Roberto Capucci e Emilio Pucci.   

Já o segundo bloco da mostra retrata os anos de 1970 e 1980, época que une trabalhos de estilistas que atualizaram a moda italiana ao associá-la ao design e à produção industrializada, o chamado prêt-à-porter.   

“Nesta parte, é possível conferir looks de marcas famosas como Valentino, Fendi, Giorgio Armani, Franco Moschino, Gianni Versace, sendo que muitas delas receberam influências da moda inglesa, um tanto jovial e transgressora”, explicou Braga.   

A terceira e última etapa da mostra conta com obras do final do século 20 até os dias atuais, mostrando a reinvenção de casas tradicionais, como Prada e Gucci, além de trajes da Dolce & Gabbana, Versace, Roberto Cavalli e Fausto Puglisi.   

De acordo com o historiador, este é o momento “de mais glamour”, no qual a “moda italiana se reconhece no que sempre foi historicamente peculiar: nas intensidades”. “Surge um novo gosto associado aos exageros, exotismos, luxos e outras características de exuberância”, contou Braga. Mais do que mostrar a história e tradição de 70 anos do setor, a exposição tem o “objetivo de evidenciar a fidelidade na formatação da identidade fashion do país”. “A moda italiana é potente pelo uso e combinação de cores, pela presença de estamparia, além da valorização da tradição artesanal”, finalizou.   

Serviço: Mostra: “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana” Data: De 13 novembro 2019 a 2 fevereiro 2020 Entrada Gratuita Local: Instituto Tomie Othake Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo (ANSA)

Cultura

História da moda italiana é tema de exposição em São Paulo

SÃO PAULO, 13 NOV (ANSA) – Por Luciana Ribeiro – Recontar a história da moda italiana é retornar ao berço de estilistas renomados que marcaram épocas.   

A mostra “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana”, em cartaz a partir desta quarta-feira (13), até 2 de fevereiro de 2020, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, faz um registro da influência da Itália na formação da cultura de moda internacional.   

Na exposição, o visitante passará por sete décadas de história da moda italiana resumidas em 45 looks de 29 estilistas.   

Os itens foram selecionadas de um acervo de seis mil peças, entre acessórios e vestuários, dos colecionadores Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, e têm curadoria do historiador de moda João Braga. “Todos os looks ajudam a reconstruir três períodos essenciais para o desenvolvimento da moda italiana contemporânea”, explicou o curador à ANSA.   

Segundo Braga, a primeira etapa diz respeito às décadas de 1950 e 1960, quando a indústria na Itália começou a se recuperar da crise pós-guerra sob influência francesa. Neste período, destacam-se produções de grandes nomes do setor, como Emilio Schuberth, as Sorelle Fontana, Roberto Capucci e Emilio Pucci.   

Já o segundo bloco da mostra retrata os anos de 1970 e 1980, época que une trabalhos de estilistas que atualizaram a moda italiana ao associá-la ao design e à produção industrializada, o chamado prêt-à-porter.   

“Nesta parte, é possível conferir looks de marcas famosas como Valentino, Fendi, Giorgio Armani, Franco Moschino, Gianni Versace, sendo que muitas delas receberam influências da moda inglesa, um tanto jovial e transgressora”, explicou Braga.   

A terceira e última etapa da mostra conta com obras do final do século 20 até os dias atuais, mostrando a reinvenção de casas tradicionais, como Prada e Gucci, além de trajes da Dolce & Gabbana, Versace, Roberto Cavalli e Fausto Puglisi.   

De acordo com o historiador, este é o momento “de mais glamour”, no qual a “moda italiana se reconhece no que sempre foi historicamente peculiar: nas intensidades”. “Surge um novo gosto associado aos exageros, exotismos, luxos e outras características de exuberância”, contou Braga. Mais do que mostrar a história e tradição de 70 anos do setor, a exposição tem o “objetivo de evidenciar a fidelidade na formatação da identidade fashion do país”. “A moda italiana é potente pelo uso e combinação de cores, pela presença de estamparia, além da valorização da tradição artesanal”, finalizou.   

Serviço: Mostra: “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana” Data: De 13 novembro 2019 a 2 fevereiro 2020 Entrada Gratuita Local: Instituto Tomie Othake Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo (ANSA)

Cultura

História da moda italiana é tema de exposição em São Paulo

SÃO PAULO, 13 NOV (ANSA) – Por Luciana Ribeiro – Recontar a história da moda italiana é retornar ao berço de estilistas renomados que marcaram épocas.   

A mostra “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana”, em cartaz a partir desta quarta-feira (13), até 2 de fevereiro de 2020, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, faz um registro da influência da Itália na formação da cultura de moda internacional.   

Na exposição, o visitante passará por sete décadas de história da moda italiana resumidas em 45 looks de 29 estilistas.   

Os itens foram selecionadas de um acervo de seis mil peças, entre acessórios e vestuários, dos colecionadores Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, e têm curadoria do historiador de moda João Braga. “Todos os looks ajudam a reconstruir três períodos essenciais para o desenvolvimento da moda italiana contemporânea”, explicou o curador à ANSA.   

Segundo Braga, a primeira etapa diz respeito às décadas de 1950 e 1960, quando a indústria na Itália começou a se recuperar da crise pós-guerra sob influência francesa. Neste período, destacam-se produções de grandes nomes do setor, como Emilio Schuberth, as Sorelle Fontana, Roberto Capucci e Emilio Pucci.   

Já o segundo bloco da mostra retrata os anos de 1970 e 1980, época que une trabalhos de estilistas que atualizaram a moda italiana ao associá-la ao design e à produção industrializada, o chamado prêt-à-porter.   

“Nesta parte, é possível conferir looks de marcas famosas como Valentino, Fendi, Giorgio Armani, Franco Moschino, Gianni Versace, sendo que muitas delas receberam influências da moda inglesa, um tanto jovial e transgressora”, explicou Braga.   

A terceira e última etapa da mostra conta com obras do final do século 20 até os dias atuais, mostrando a reinvenção de casas tradicionais, como Prada e Gucci, além de trajes da Dolce & Gabbana, Versace, Roberto Cavalli e Fausto Puglisi.   

De acordo com o historiador, este é o momento “de mais glamour”, no qual a “moda italiana se reconhece no que sempre foi historicamente peculiar: nas intensidades”. “Surge um novo gosto associado aos exageros, exotismos, luxos e outras características de exuberância”, contou Braga. Mais do que mostrar a história e tradição de 70 anos do setor, a exposição tem o “objetivo de evidenciar a fidelidade na formatação da identidade fashion do país”. “A moda italiana é potente pelo uso e combinação de cores, pela presença de estamparia, além da valorização da tradição artesanal”, finalizou.   

Serviço: Mostra: “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana” Data: De 13 novembro 2019 a 2 fevereiro 2020 Entrada Gratuita Local: Instituto Tomie Othake Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo (ANSA)

Cultura

História da moda italiana é tema de exposição em São Paulo

SÃO PAULO, 13 NOV (ANSA) – Por Luciana Ribeiro – Recontar a história da moda italiana é retornar ao berço de estilistas renomados que marcaram épocas.   

A mostra “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana”, em cartaz a partir desta quarta-feira (13), até 2 de fevereiro de 2020, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, faz um registro da influência da Itália na formação da cultura de moda internacional.   

Na exposição, o visitante passará por sete décadas de história da moda italiana resumidas em 45 looks de 29 estilistas.   

Os itens foram selecionadas de um acervo de seis mil peças, entre acessórios e vestuários, dos colecionadores Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, e têm curadoria do historiador de moda João Braga. “Todos os looks ajudam a reconstruir três períodos essenciais para o desenvolvimento da moda italiana contemporânea”, explicou o curador à ANSA.   

Segundo Braga, a primeira etapa diz respeito às décadas de 1950 e 1960, quando a indústria na Itália começou a se recuperar da crise pós-guerra sob influência francesa. Neste período, destacam-se produções de grandes nomes do setor, como Emilio Schuberth, as Sorelle Fontana, Roberto Capucci e Emilio Pucci.   

Já o segundo bloco da mostra retrata os anos de 1970 e 1980, época que une trabalhos de estilistas que atualizaram a moda italiana ao associá-la ao design e à produção industrializada, o chamado prêt-à-porter.   

“Nesta parte, é possível conferir looks de marcas famosas como Valentino, Fendi, Giorgio Armani, Franco Moschino, Gianni Versace, sendo que muitas delas receberam influências da moda inglesa, um tanto jovial e transgressora”, explicou Braga.   

A terceira e última etapa da mostra conta com obras do final do século 20 até os dias atuais, mostrando a reinvenção de casas tradicionais, como Prada e Gucci, além de trajes da Dolce & Gabbana, Versace, Roberto Cavalli e Fausto Puglisi.   

De acordo com o historiador, este é o momento “de mais glamour”, no qual a “moda italiana se reconhece no que sempre foi historicamente peculiar: nas intensidades”. “Surge um novo gosto associado aos exageros, exotismos, luxos e outras características de exuberância”, contou Braga. Mais do que mostrar a história e tradição de 70 anos do setor, a exposição tem o “objetivo de evidenciar a fidelidade na formatação da identidade fashion do país”. “A moda italiana é potente pelo uso e combinação de cores, pela presença de estamparia, além da valorização da tradição artesanal”, finalizou.   

Serviço: Mostra: “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana” Data: De 13 novembro 2019 a 2 fevereiro 2020 Entrada Gratuita Local: Instituto Tomie Othake Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo (ANSA)

Cultura

História da moda italiana é tema de exposição em São Paulo

SÃO PAULO, 13 NOV (ANSA) – Por Luciana Ribeiro – Recontar a história da moda italiana é retornar ao berço de estilistas renomados que marcaram épocas.   

A mostra “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana”, em cartaz a partir desta quarta-feira (13), até 2 de fevereiro de 2020, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, faz um registro da influência da Itália na formação da cultura de moda internacional.   

Na exposição, o visitante passará por sete décadas de história da moda italiana resumidas em 45 looks de 29 estilistas.   

Os itens foram selecionadas de um acervo de seis mil peças, entre acessórios e vestuários, dos colecionadores Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, e têm curadoria do historiador de moda João Braga. “Todos os looks ajudam a reconstruir três períodos essenciais para o desenvolvimento da moda italiana contemporânea”, explicou o curador à ANSA.   

Segundo Braga, a primeira etapa diz respeito às décadas de 1950 e 1960, quando a indústria na Itália começou a se recuperar da crise pós-guerra sob influência francesa. Neste período, destacam-se produções de grandes nomes do setor, como Emilio Schuberth, as Sorelle Fontana, Roberto Capucci e Emilio Pucci.   

Já o segundo bloco da mostra retrata os anos de 1970 e 1980, época que une trabalhos de estilistas que atualizaram a moda italiana ao associá-la ao design e à produção industrializada, o chamado prêt-à-porter.   

“Nesta parte, é possível conferir looks de marcas famosas como Valentino, Fendi, Giorgio Armani, Franco Moschino, Gianni Versace, sendo que muitas delas receberam influências da moda inglesa, um tanto jovial e transgressora”, explicou Braga.   

A terceira e última etapa da mostra conta com obras do final do século 20 até os dias atuais, mostrando a reinvenção de casas tradicionais, como Prada e Gucci, além de trajes da Dolce & Gabbana, Versace, Roberto Cavalli e Fausto Puglisi.   

De acordo com o historiador, este é o momento “de mais glamour”, no qual a “moda italiana se reconhece no que sempre foi historicamente peculiar: nas intensidades”. “Surge um novo gosto associado aos exageros, exotismos, luxos e outras características de exuberância”, contou Braga. Mais do que mostrar a história e tradição de 70 anos do setor, a exposição tem o “objetivo de evidenciar a fidelidade na formatação da identidade fashion do país”. “A moda italiana é potente pelo uso e combinação de cores, pela presença de estamparia, além da valorização da tradição artesanal”, finalizou.   

Serviço: Mostra: “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana” Data: De 13 novembro 2019 a 2 fevereiro 2020 Entrada Gratuita Local: Instituto Tomie Othake Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo (ANSA)

Cultura

História da moda italiana é tema de exposição em São Paulo

SÃO PAULO, 13 NOV (ANSA) – Por Luciana Ribeiro – Recontar a história da moda italiana é retornar ao berço de estilistas renomados que marcaram épocas.   

A mostra “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana”, em cartaz a partir desta quarta-feira (13), até 2 de fevereiro de 2020, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, faz um registro da influência da Itália na formação da cultura de moda internacional.   

Na exposição, o visitante passará por sete décadas de história da moda italiana resumidas em 45 looks de 29 estilistas.   

Os itens foram selecionadas de um acervo de seis mil peças, entre acessórios e vestuários, dos colecionadores Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, e têm curadoria do historiador de moda João Braga. “Todos os looks ajudam a reconstruir três períodos essenciais para o desenvolvimento da moda italiana contemporânea”, explicou o curador à ANSA.   

Segundo Braga, a primeira etapa diz respeito às décadas de 1950 e 1960, quando a indústria na Itália começou a se recuperar da crise pós-guerra sob influência francesa. Neste período, destacam-se produções de grandes nomes do setor, como Emilio Schuberth, as Sorelle Fontana, Roberto Capucci e Emilio Pucci.   

Já o segundo bloco da mostra retrata os anos de 1970 e 1980, época que une trabalhos de estilistas que atualizaram a moda italiana ao associá-la ao design e à produção industrializada, o chamado prêt-à-porter.   

“Nesta parte, é possível conferir looks de marcas famosas como Valentino, Fendi, Giorgio Armani, Franco Moschino, Gianni Versace, sendo que muitas delas receberam influências da moda inglesa, um tanto jovial e transgressora”, explicou Braga.   

A terceira e última etapa da mostra conta com obras do final do século 20 até os dias atuais, mostrando a reinvenção de casas tradicionais, como Prada e Gucci, além de trajes da Dolce & Gabbana, Versace, Roberto Cavalli e Fausto Puglisi.   

De acordo com o historiador, este é o momento “de mais glamour”, no qual a “moda italiana se reconhece no que sempre foi historicamente peculiar: nas intensidades”. “Surge um novo gosto associado aos exageros, exotismos, luxos e outras características de exuberância”, contou Braga. Mais do que mostrar a história e tradição de 70 anos do setor, a exposição tem o “objetivo de evidenciar a fidelidade na formatação da identidade fashion do país”. “A moda italiana é potente pelo uso e combinação de cores, pela presença de estamparia, além da valorização da tradição artesanal”, finalizou.   

Serviço: Mostra: “Vestindo o Tempo – 70 Anos de Moda Italiana” Data: De 13 novembro 2019 a 2 fevereiro 2020 Entrada Gratuita Local: Instituto Tomie Othake Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo (ANSA)


Destaques





Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.