Mundo

Haiti ratifica intenção de realizar referendo, apesar das críticas internacionais

Haiti ratifica intenção de realizar referendo, apesar das críticas internacionais

Rua de Porto Príncipe no Haiti, em abril de 2021 - AFP/Arquivos


O Haiti novamente deixou claro nesta terça-feira (4) sua intenção de realizar um referendo constitucional em junho, apesar das críticas internacionais de que o processo não é suficientemente transparente.

“Um referendo é um ato de soberania. Essencialmente, diz respeito aos haitianos: são eles que decidem se querem ou não um referendo para mudar a Constituição”, afirmou o primeiro-ministro haitiano, Claude Joseph.

O presidente Jovenel Moise governa por decreto, depois que as eleições legislativas marcadas para 2018 foram adiadas e em meio a disputas sobre o término de seu mandato.

Além das eleições presidenciais, legislativas e locais em setembro, Moise quer apresentar um novo projeto de Constituição da nação insular que seria submetido a votação popular em 27 de junho.

O Core Group (composto por representantes das Nações Unidas, da União Europeia e da Organização dos Estados Americanos, bem como das embaixadas da Alemanha, Brasil, Canadá, França, Estados Unidos e Espanha) manifestou na semana passada a sua preocupação de que “este processo nesta fase não é suficientemente inclusivo, participativo ou transparente”.

O governo haitiano insistiu nesta terça-feira que não pretende abandonar esta consulta popular, embora permaneça aberto ao diálogo.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



“Algumas das preocupações expressas por nossos amigos internacionais são bem fundamentadas e legítimas”, declarou Joseph durante sua primeira entrevista coletiva desde que foi nomeado primeiro-ministro, em 14 de abril.

“O referendo deve ser um processo inclusivo, por isso o presidente iniciou um processo de diálogo”.

Com a nomeação de um sexto primeiro-ministro em quatro anos, o presidente Moise enfrenta forte descontentamento de alguns setores da sociedade que exigem sua renúncia, em parte devido à incapacidade do governo de conter o aumento da criminalidade.

Os sequestros de resgates dispararam nos últimos meses, refletindo a crescente influência de gangues armadas no país.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS