A semana

A guerreira da carta e do tiro no ventre

Crédito: Divulgação

LUTA Larisse ao ser baleada na praia da Reserva (Crédito: Divulgação)

LUTA Por esforço próprio, e só por esforço próprio, de um colégio pobre ela foi brilhar na PUC (Crédito:Divulgação)

A carta, quero dizer a resposta de uma carta, chegou depois de seis anos – e de um tiro no ventre. Mas deu alento e deu sorriso e deu olhos abertos a quem está ferida numa UTI: Larisse Isídio da Silva. Em uma Rio de Janeiro, ex-cidade maravilhosa, na qual cento e cinco pessoas foram baleadas na primeira quinzena de 2018, Larisse foi mais uma vítima ao aproveitar os poucos momentos que tem de folga na correria batida da vida. Ela tomava sol na praia da Reserva, entre a Barra da Tijuca e o Recreio, quando um ladrão disparou a esmo em sua alucinada fuga após roubar alguns banhistas – entre eles um policial que perdeu assim o seu cordão de ouro. Todos correram a socorrer a moça, que na quarta-feira 24 ainda seguia internada e inspirava bastante cuidado. Deixe-se de lado, agora, o tiro e o bandido, tão naturais como areia na praia. A carta, a resposta à carta! A história é bonita: quando tinha quinze anos de idade, em 2012, Larisse escreveu para a então secretária municipal da Educação, Claudia Costin. “Para o Brasil, um ensino melhor seria um avanço e é disso que precisamos”, registrou ela. E reivindicou mais, muito mais, pensando na evolução do ensino. O tempo passou, nada de resposta, Larisse foi batalhando: de um colégio humilde saiu para brilhar no curso de Engenharia Química da PUC, conquistou bolsa, faz doce e os vende para ganhar um suado e imprescindível dinheiro a mais. Ao ter revelada a sua história de baleada, eis que a ex-secretária Claudia Costin decidiu responder a carta. A demora está desculpada pela sinceridade de Claudia: ela escreveu que as mazelas na área da educação continuam as mesmas no País e nada foi feito para saná-las.

R$ 268,8 bilhões

é o valor do deficit da Previdência Social em 2017 (soma do INSS com o regime dos servidores públicos da União). Essa quantia é recorde e equivale a um aumento de 18,5% em relação ao ano anterior. Somente o INSS teve rombo de R$ 182,5 bilhões – menos que os R$ 185,8 bilhões que o governo projetara. A informação foi divulgada na semana passada.

Febre amarela 
O ministério não avisou o mosquito

Luiz Claudio Barbosa

O Ministério da Saúde declarou na terça-feira 23 que a febre amarela está sob controle. Esqueceram de avisar os mosquitos transmissores. No mesmo dia, em São Paulo, três de seus maiores e mais visitados parques tiveram de ser fechados porque em um deles foi encontrado morto um macaco bugio (morte por febre amarela). Como esses locais turísticos ficam na zona sul, manda o cuidado sanitário interditar todos eles, uma vez que estão na mesma região. Trata-de do Zoológico, do Zoo Safari e do Jardim Botânico. Desde a quinta-feira, a vacinação fracionada contra a febre amarela começou a ser aplciada em 54 municípios paulistas.

Riqueza
Um novo bilionário a cada dois dias

Divulgação

A riqueza gerada no mundo em 2017 cresceu em relação ao ano anterior – e sua concentração também. De acordo com o relatório “Recompensem o trabalho, não a riqueza”, divulgado na segunda-feira 22 pela ONG britânica Oxfam, 82% do patrimônio do planeta pertencem aos que ocupam a faixa dos 1% mais ricos. Houve um recorde histórico no número de novos bilionários: um a cada dois dias. Ocupam o topo da lista Bill Gates (à esq.), fundador da Microsoft (US$ 86 bilhões) e Warren Buffett, presidente da Berkshire Hathaway (US$ 75,6 bilhões). Quase todos são filantropos. Por meio da organização The Giving Pledge, doam a maior parte dos bens a instituições de caridade.

Constituição
Tortura: Brasil, nunca mais

Cassiano Rosário

Sergio Moro deu aula de Estado de Direito aos policiais federais da escolta de Sergio Cabral, transferido do Rio de Janeiro para Curitiba. Manietaram-lhe as mãos e acorrentaram-lhe os pés. Moro pediu explicações à PF na terça-feira 23. Cabral tem de ser condenado pelos crimes que cometeu, mas não pode ser torturado. Ele repetia ao guarda: “o senhor está me machucando”. Castigo físico e execração pública são crimes previstos na Constituição. A PF respondeu que agiu assim para garantir a segurança do próprio preso e dos agentes. A única resposta aceitável é processar e expulsar Tomás de Torquemada de seus quadros, fantasma do século 15 a rondar o 21.

Cultura
O terceiro maior acervo sobre o Brasil

Divulgação

A brasileira Duília de Mello é uma das mais conceituadas analistas da NASA. Acaba de assumir a vice-reitoria da Universidade Católica da América, em Washington. Tem pela frente uma missão apaixonante: trabalhar na organização da biblioteca que o diplomata pernambucano Manoel de Oliveira Lima montou nessa instituição enquanto serviu nos EUA – é o terceiro maior acervo sobre o Brasil em todo o mundo. Raridades que contém: primeira edição de Os Lusíadas, cartas de Machado de Assis, quadros de Antonio Parreiras. Há uma obra de Frans Post avaliada em US$ 4 milhões. Oliveira Lima está sepultado em Washington. Seu epitáfio: “aqui jaz um homem que ama os livros”.