Economia

Guedes reclama de interferência judicial no processo de venda da TAG


O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 30, que tentou mostrar aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) os impactos de qualquer interferência judicial sobre a venda de ativos por estatais brasileiras, em especial da Transportadora Associada de Gás (TAG) pela Petrobras. A corte julga nesta data a liminar que suspendeu a venda da empresa.

“Passei o dia conversando com ministros do STF ontem. Me arrependo de ter só ido na emergência, conversas com STF têm que ser regulares”, disse o ministro.

Guedes considerou que “aparentes interferências” na economia são legítimas, sobretudo no momento em que se debate uma exploração do pré-sal que pode render de R$ 500 bilhões a R$ 1 trilhão nos próximos 30 anos.

Ele reclamou, no entanto, da interferência judicial no processo de venda da TAG que, segundo ele, foi “transparente e competitivo”.

“Se tudo o que a Petrobras tiver que vender precisar ser analisado juridicamente, os investimentos não virão. O Brasil é um País hostil aos investidores”, criticou Guedes.

Apesar disso, o ministro negou ter tentado influenciar os votos dos membros do STF sobre o caso. “Não tento influenciar o julgamento, só esclarecer”, respondeu. “Decisões judiciais tem efeitos que podem ser extraordinários ou devastadores”, acrescentou.

Veja também
+ Corpo de jovem desaparecido é encontrado em caçamba de lixo
+ Corpo de Gabby Petito é encontrado, diz site; legista afirma que foi homicídio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Vídeo: família é flagrada colocando cabelo na comida para não pagar a conta
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio