Guedes foi curto e grosso em respostas para fugir de indiciamento na CPI

Ministro da Economia enviou ofício para evitar cerco após declarações polêmicas

Guedes foi curto e grosso em respostas para fugir de indiciamento na CPI

O ministro da Economia brasileiro, Paulo Guedes, formado em Chicago e no Chile, em seu primeiro dia no cargo, em 2 de janeiro de 2019, como membro do gabinete do presidente Jair Bolsonaro - AFP


O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi curto e grosso ao ser indagado pela CPI da Pandemia se ele e sua equipe apostaram na chamada “imunidade de rebanho” como forma de controlar o Covid-19.

E fez o possível, na resposta, para se livrar de eventual indiciamento no relatório final, apesar de algumas declarações polêmicas.

No ofício (SEI Nº 440/2021/ME) encaminhado à comissão, Guedes diz não “ter formação acadêmica na área de saúde que permita ter opinião pessoal quanto a qualquer tema relacionado à imunidade contra infecções”.

Em abril, durante reunião do Conselho de Saúde Suplementar, Guedes criticou a Coronavac (“menos eficiente do que a desenvolvida por laboratórios dos Estados Unidos”). Por essas e por outras, senadores passaram a defender o pedido de indiciamento de Guedes no relatório final da CPI.

O fio da investigação da CPI é a declaração de Adolfo Sachsida, secretário de Política Econômica. Ele afirmou que o País caminhava para a “imunidade de rebanho”.

Segundo ele, era “baixíssima a probabilidade de segunda onda”. Guedes também diz que não se manifestou “de modo a dificultar a adoção de qualquer imunizante no Brasil”.


Saiba mais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua




Sobre o autor

Leandro Mazzini começou a carreira jornalística em 1996. É graduado em Comunicação Social pela FACHA, do Rio de Janeiro, e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. A partir de 2000, passou por ‘Jornal do Brasil’, ‘Agência Rio de Notícias’, ‘Correio do Brasil’, ‘Gazeta Mercantil’ e outros veículos. Assinou o Informe JB de 2007 a 2011, e também foi colunista da Gazeta. Entre 2009 e 2014 apresentou os programas ‘Frente a Frente’ e ‘Tribuna Independente’ (ao vivo) na REDEVIDA de Televisão, em rede, foi comentarista político do telejornal da Vida, na mesma emissora e foi comentarista da Rede Mais/Record TV em MG. Em 2011, lançou a ‘Coluna Esplanada’, reproduzida hoje em mais de 50 jornais de 25 capitais e interior Foi colunista dos portais ‘UOL’ e ‘iG’ desde então, e agora escreve no blog que leva seu sobrenome no portal da ‘Revista Isto É’, onde conta com o trabalho dos jornalistas Walmor Parente, Carolina Freitas, Elizabeth Paiva e Sara Moreira, além de correspondentes no Rio e Recife. É também comentarista das rádios ‘JK FM’ em Brasília, ‘Super TUPI’, do Rio, e ‘Rádio Muriaé’.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.