Economia

Guedes diz que detesta furar teto, mesmo após acordo para alterar regras fiscais


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 22, que detesta furar o teto de gastos. A fala vem apesar de o governo ter decidido alterar a regra considerada âncora fiscal do País para viabilizar o pagamento de R$ 400 no Auxílio Brasil até dezembro de 2022, ano em que o presidente Jair Bolsonaro pretende buscar a reeleição.

“Não é confortável flexibilizar teto, mas estamos falando de milhões de brasileiros”, declarou o ministro, justificando o peso da crise econômica sobre a população para tomar a medida. Ele reconheceu que o teto era um “símbolo”, mas disse que o País está “muito longe de ameaçar qualquer sustentabilidade fiscal”.

“Não é licença para gastar, não vai acontecer nada disso”, acrescentou Guedes, apesar de, na quarta-feira, ter citado justamente a expressão “licença para gastar” como forma de ajudar os mais necessitados neste momento de crise. “Se falarem que começou a gastança, não é esse meu acordo com o presidente”, garantiu, em meio à desconfiança no mercado sobre a trajetória da questão fiscal brasileira após o acordo para mudar o teto.


Saiba mais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua