Economia

Guedes diz que câmbio de equilíbrio é de R$ 4,50 e vê apreciação do real com retomada

Guedes diz que câmbio de equilíbrio é de R$ 4,50 e vê apreciação do real com retomada

Moeda de um real em foto ilustrativa


BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira que a taxa de câmbio de equilíbrio deve estar girando atualmente em torno de 4,50 reais e que houve um “overshooting” do câmbio, mas que sua expectativa é que a moeda brasileira valorize à medida que o país prossiga com as reformas estruturais e vacinação em massa.

“A taxa de câmbio está mais elevada. Provavelmente deveria estar em torno de 4,50 reais agora, houve um ‘overshoot’. Mas estamos avançando nas reformas fundamentais. Assim que o Brasil voltar a crescer, formos para a vacinação em massa, e em três ou quatro meses… provavelmente o câmbio (dólar) vai cair”, disse o ministro, em inglês, durante videoconferência promovida pela Brazilian-American Chamber of Commerce.

Neste ano, o dólar salta 7,8%, o que deixa o real na terceira pior posição global. O dólar só sobe mais no ano contra o peso argentino e a lira turca.

 

(Por Gabriel Ponte)


+ Pastor é processado por orar pela morte de Paulo Gustavo
+ Vídeo: Aluno é flagrado fazendo sexo durante aula da UFSC
+ Ao preço de US$ 1.600 por kg, carne Ozaki é a mais cara do mundo



tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3715T-BASEIMAGE

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Gabriel Medina torna-se alvo de sites de fofoca
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS