Cultura

Grupos de K-pop conquistam novos públicos misturando ritmos e visual atraente

A história do K-pop, gênero musical criado na Coreia do Sul, não é recente. Remonta ao início dos anos 1990. Mais precisamente em 1992, quando o grupo Seo Taiji and Boys participou de um show de talentos local. O estilo deles chocou: não correspondia a nada visto na música do país até então. Faziam rap, dançavam como bboys. O grupo fez grande sucesso e tornou-se referência. Ainda na década de 1990, o governo da Coreia do Sul percebeu que, com sua cultura, tinha uma mina nas mãos. Pronto: criava-se uma cena musical forte.

Em termos sonoros, o K-pop bebe na fonte do pop americano, mas mistura também outros ritmos como hip-hop, pop-rock e electronic dance music. É difícil mensurar quantos grupos, masculinos e femininos, existem atualmente. Isso porque as três empresas sul-coreanas responsáveis por criar a fórmula do K-pop, SM Entertainment, JYP Entertainment e YG Entertainment, lançam grupos como uma fabricação em série. Para cada grupo que se desfaz, outros surgem. E essas empresas que cuidam da carreira dos idols – como são chamados os integrantes dos grupos – são rígidas em relação à vida pessoal deles: não podem assumir namoros em público e precisam ter conduta cotidiana irretocável.

Pode-se levar anos para um grupo ser lançado. Afinal, a construção da imagem é um dos segredos do sucesso nesse mercado. “Tem muito ensaio, muita direção, é tudo muito ‘profissa’. Os caras não estão brincando. E por que não pode surgir um talento? Ainda mais nesse esquema em que a maior parte desses grupos trabalha”, diz o produtor João Marcello Bôscoli. O visual colorido, meio lúdico, os clipes bem produzidos e as coreografias sincronizadas são os trunfos deles.

“Eles fazem sucesso porque têm um apelo muito pop com a galera mais jovem. Cada integrante representa alguma coisa com a qual a molecada se identifica, um é mais romântico, outro mais esportivo, que é o que se fazia nos EUA no começo dos anos 2000, com Backstreet Boys, ‘N Sync”, afirma o também produtor Rick Bonadio. “Então, essa influência é muito forte. Foi daí que surgiram os grupos de K-pop fazendo essa linha de grupo musical, e cantando músicas que são produzidas no estilo americano, com algumas pitadas de coisas orientais. Muitas vezes, cantam em inglês e também em coreano.”

O cantor Psy passou como um furacão com Gangnam Style em 2012 e colocou a Coreia do Sul no mapa. Mas passou. Após tantos anos dominando a indústria asiática, o que fez o K-pop atravessar agora a fronteira para o Ocidente? Bôscoli aponta a revolução tecnológica digital como um dos possíveis motivos. “Eles fazem música pop de uma forma contemporânea, com ferramentas contemporâneas”, completa.

Hoje, o grupo BTS, da Big Hit Entertainment, lidera essa cena, mas outras estrelas como EXO, Monsta X, Black Pink e tantas outras também estão ampliando seus mercados. “O K-pop sempre existiu, mas está chegando agora com mais força”, diz Bôscoli. “Vem de um ecossistema com muito dinheiro, sobrevive lá por si. Chegou aqui, e tem que ver se vai permanecer. Um polo a Coreia do Sul já é, mas precisa ver se vai continuar dialogando com o Ocidente.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PARA MERGULHAR NO K-POP

Shows em SP

* VAV (turnê Meet & Live Señorita) – Carioca Club Pinheiros.

R. Cardeal Arcoverde, 2.899.

Dia 24/2, a partir das 17h.

R$ 60 / R$ 340. http://www.clubedoingresso.com/vav-sp

* Busters – Audio. Av. Francisco Matarazzo, 694, Barra Funda.

Dia 7/4, às 15h. R$ 40 / R$ 160. ticket360.com.br

Evento

* Av. K-POP – KPÖPst na rua! (9ª edição). Av. Paulista, 287. Dia 10/2, das 13h às 16h30. Com covers, brincadeiras, lojinhas, etc

Onde aprender a dançar

* Centro Cultural Hallyu.

R. Guarani, 149, Bom Retiro, tel. 2538-7453. 6ª e sáb., às 15h. R$ 70. No local, tem também curso de coreano, e outras atividades

* KDance Studio. Av. do Cursino, 2.226, Saúde, tel. 99586-5143. 2ª, às 18h30, e 4ª, às 19h30.

R$ 25 por aula

Onde fazer curso de canto

* Aula K-pop Group. Lá Music Studio. Rua Prates, 536, Bom Retiro, tel. 99190-0034

Onde conhecer a história

* A série Explicando, da Netflix, tem episódio dedicado ao K-pop

* Livro K-Pop – Manual de Sobrevivência, de Babi Dewet, Natália Pak e Érica Imenes

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

grupos k-pop MÚSICA