Geral

Grupo pioneiro não tem recursos para continuar pesquisa


Responsável pela identificação do vírus no líquido amniótico de dois bebês com microcefalia, a especialista em medicina fetal de Campina Grande Adriana Melo disse não estar surpresa com a constatação feita pelo CDC. “Dizemos isso desde novembro. Nosso estudo foi publicado em janeiro numa revista científica”, observou. “O que me surpreende é que o grupo pioneiro nessa investigação não tem recursos para continuar suas pesquisas”, lamentou Adriana, que preside o Instituto de Pesquisa Joaquim Amorim Neto, de Campina Grande.

Já para a neuropediatra do Hospital Barão de Lucena Vanessa Van der Linden, a notícia trará avanços na prevenção de novos casos. “Por mais que medidas já tivessem sido adotadas, ainda havia uma nuvem em torno da exata relação entre zika e microcefalia”, disse. “O foco agora estará na descoberta de soluções.”

Pernambuco foi o primeiro Estado a identificar um aumento expressivo dos nascimentos de bebês com a má-formação. A descoberta teve como ponto de partida uma conversa entre Vanessa e a mãe, Ana, também neuropediatra do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira. Em outubro, a mãe comentou com a filha que, em um mesmo dia, havia atendido sete casos da má-formação, até então rara. Vanessa, por sua vez, havia recebido cinco casos. Diante da constatação, ligaram para outra colega, Adélia de Souza, que relatou também um aumento anormal de atendimentos. A partir daí, uma rede se formou e em pouco tempo, 40 casos foram reunidos.

Paradigma

Partiu então do professor Carlos Brito, da Universidade Federal de Pernambuco e colaborador da Fundação Oswaldo Cruz, a associação entre zika e aumento de casos de microcefalia. “Para mim, essa era a hipótese mais plausível. Além disso, os casos se espalharam em partes do Estado onde havia circulação do zika. Não havia como ser outro fator.”


+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ ‘Raça de víboras’: Andressa Urach critica seguidores que não acreditam em sua fé
+ “Fama e dinheiro vem cheio de desgraça”, desabafa Pedro Scooby



Brito disse considerar justificável a cautela apresentada por entidades científicas para fazer a associação. “Era uma quebra de paradigma, um vírus transmitido por mosquito provocando má-formação nos bebês.”

O zika, até então, era considerado inofensivo, um “primo” leve da dengue.

“Algumas pessoas chegaram a dizer que o problema era provocado por subnotificação, que a microcefalia sempre esteve aí, mas era pouco diagnosticada. Outros atribuíam a agrotóxicos ou a reações a imunizantes. Para mim, isso somente retardou todo processo. Uma confusão desnecessária”, completou Brito.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS

Tópicos

microcefalia zika