Mundo

Greve na França chega ao 29º dia e bate recorde

Crédito: STEPHANE DE SAKUTIN / AFP

PARIS, 02 JAN (ANSA) – A greve de trabalhadores do setor ferroviário contra a reforma da previdência proposta pelo presidente Emmanuel Macron entrou nesta quinta-feira (2) em seu 29º dia e se tornou a paralisação mais longa do setor na história da França.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

O recorde anterior na Sociedade Nacional das Ferrovias (SNCF), empresa responsável pelo transporte sobre trilhos no país, era da greve de 28 dias entre 1986 e 1987. Na ocasião, os ferroviários protestavam por melhores salários e condições de trabalho.

Atualmente, apenas metade dos trens de alta velocidade e regionais e 25% dos interurbanos estão em circulação na França.

A situação pode ficar mais tensa a partir da semana que vem, com a volta das manifestações de rua.

Em seu discurso de fim de ano, Macron confirmou a determinação de aprovar a reforma previdenciária, e uma nova negociação entre governo e sindicatos está marcada para 7 de janeiro.

Os grevistas exigem a retirada do projeto, que aumenta a idade mínima de aposentadoria de 62 para 64 anos e universaliza o sistema previdenciário, que hoje conta com 42 regimes diferentes. Alguns deles, especialmente de servidores públicos, permitem a aposentadoria antes dos 62 anos. (ANSA)

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Tópicos

Franca greve Paris