Mundo

Greve continua na França e aumenta preocupação com transportes no Natal

Greve continua na França e aumenta preocupação com transportes no Natal

Estação de trem de Saint Lazare, Paris, em 13 de dezembro de 2019 - AFP

Dez dias de greve dos transportes na França e a perspectiva de um Natal sem trens ou metrô, além dos aeroportos em colapso, preocupa os cidadãos e o governo, que deseja se reunir com os sindicatos para conversar sobre sua polêmica reforma da Previdência.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Neste sábado, entre 25% e 30% dos trens de alta velocidade e regionais estavam em operação no país. Em Paris, nove linhas de metrô estavam fechadas, de um total de 16, e pouco mais da metade dos ônibus estavam em circulação.

A situação deve permanecer igual no domingo e os serviços de transporte na capital serão muito afetados pelo movimento de protesto na segunda-feira.

A apenas 10 dias do Natal, o governo, os sindicatos e os moradores não sabem até quando a greve deve prosseguir e de que maneira a situação pode ser desbloqueada.

Se o movimento continuar, a paralisação pode colocar em risco as férias de dezenas de milhares de pessoas, pois serão necessários vários dias para recuperar a normalidade nos transportes.

“Cada um terá que assumir suas responsabilidades. Não acho que os franceses aceitariam que alguns os privassem desse momento”, disse o primeiro-ministro Edouard Philippe em declarações ao jornal Le Parisien.

“Metade dos passageiros terá trens para as festas de fim de ano”, afirmou a SNCF, a empresa nacional de trens, informou o jornal Le Parisien.

O governo pediu aos diretores da empresa que elaborem um plano para informar quais viagens serão mantidas e quais serão canceladas, para que os cidadãos possam organizar suas agendas.

Os sindicatos rejeitaram durante a semana a ideia de uma “trégua de Natal”.

“Se o governo quer que o conflito termine antes das festas, resta uma semana para tomar a boa decisão, optar pelo senso comum e retirar a reforma da Previdência”, disse à AFP Laurent Brun, secretário-geral do sindicato CGT-Ferroviários, o mais importante da SNCF.

“Para que os trens circulem, o governo tem que enviar uma mensagem positiva”, corroborou Roger Dillenseger, do sindicato UNSA-Ferroviários.

Neste sábado estão previstos protestos em várias cidades da França, como Estrasburgo, Lyon e Rennes. Para terça-feira, os sindicatos convocaram grandes manifestações em todo o país, com a participação de funcionários públicos, estudantes, profissionais da área da saúde, advogados, professores e juízes.

Esta semana, o governo e os professores chegaram a um acordo para um aumento salarial, o que custará ao Estado quase 10 bilhões de euros, mas até o momento não foi definido quando a mudança entrará em vigor.

Os policiais também suspenderam o movimento de protesto na sexta-feira, depois que receberam a garantia do governo de que poderão se aposentar antes, em consequência dos riscos da profissão.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, também convidou os sindicatos para uma reunião na próxima semana, embora, por enquanto, não se saiba se eles responderam afirmativamente.

Apesar de mostrar que pode fazer alguma concessão, o governo do presidente Emmanuel Macron não desistirá de sua reforma da previdência, unificando os 42 sistemas diferentes de aposentadoria que o país possui em um, com o qual, segundo o governo “todo mundo vai ganhar”.

Na sexta-feira, em Bruxelas, o chefe de Estado considerou que esta reforma era “histórica”.

Os franceses estão divididos sobre a reforma, segundo uma pesquisa na qual indica que 50% afirmam ser favoráveis e 49% são contra.

Veja também

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Fotos de biquíni de Thaynara OG fazem sucesso e influenciadora revela: “Me sentia reprimida”

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea