Economia

Grécia deve votar medidas de austeridade em meio a continuidade de protestos

O parlamento grego deve votar medidas de austeridade como revisões de pensões e aumentos de impostos na noite deste domingo em meio a greves e protestos. O governo espera que o novo movimento possa impressionar credores e liberar fundos de resgate.

Os credores mais influentes da Grécia, a Alemanha e o Fundo Monetário Internacional (FMI), mantém um impasse sobre os termos do plano de ajuda para a Grécia, o qual o FMI considera ser falho e a Alemanha diz que não pode ser mudado.

O Eurogrupo, como é conhecido o comitê de ministros das Finanças da Zona do Euro, se reúne em Bruxelas na segunda-feira para discutir a estratégia fiscal da Grécia e a sustentabilidade de seus débitos. Uma resolução dessas diferenças, porém, não é esperada.

A legislação a qual o Parlamento grego vai votar cobre uma parte de um pacote de medidas de austeridade o qual representa 4 bilhões de euros, cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

A legislação inclui uma simplificação do fragmentado e custoso sistema previdenciário da Grécia, o qual emprestadores e o partido governista grego Syriza concordam ser necessária. Apesar disso, cortes de benefícios e aumento na contribuição dos trabalhadores provocaram a oposição de sindicatos e outros grupos profissionais.

É esperado que as medidas sejam aprovadas, embora o governo tenha pouco espaço para agir no caso de rebelião dos parlamentares. A coalizão liderada pelo Syriza tem maioria de apenas três assentos no parlamento de 300 membros.

O problema para o primeiro ministro Alexis Tsipras é que os principais credores não ficarão satisfeitos apenas com as medidas deste domingo.

Em uma carta a ministros da Zona do Euro enviada na quinta-feira, a chefe do FMI Christine Lagarde disse que a Europa está tentando fazer a Grécia alcançar um superávit irreal. Se a Europa não reduzir a meta, disse, a Grécia precisará introduzir medidas de austeridade que impactarão mais outros 2% do PIB.

Autoridades da Alemanha descartam, porém, a hipótese de reduzir a meta de superávit primário da Grécia para apenas 1,5% do PIB conforme recomendado pelo FMI. A redução da meta, avaliam, poderia levar a um novo perdão da dívida para que o endividamento grego não entrasse numa espiral ainda maior de crescimento. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ Maria Zilda relembra como soube que Ary Fontoura era gay: “A coisa mais incrível que já ouvi”
+ Rafa Kalimann ensina receita de palha italiana; veja o vídeo
+ Juliana Caetano, do Bonde do Forró, fala sobre proposta de 500 mil reais que recebeu
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior