Esportes

GP do Japão de F1 é cancelado por pandemia de Covid-19


ROMA, 18 AGO (ANSA) – O Grande Prêmio do Japão de Fórmula 1 foi cancelado nesta quarta-feira (18) por conta do aumento de casos e internações provocados pela Covid-19 no país. Com isso, a corrida que seria disputada em Suzuka no dia 10 de outubro foi suspensa pelo segundo ano seguido.   

“Após longas discussões com os organizadores e as autoridades japonesas, foi tomada a decisão de cancelar a prova nesta temporada por causa da complexidade provocada pela pandemia no país”, diz o comunicado oficial.   

A Liberty Media, que detêm a categoria, ainda informou que anunciará os “detalhes finais” do calendário para o fim do ano “nas próximas semanas”. “A Fórmula 1 demonstrou nesse ano e em 2020 que podemos nos adaptar e encontrar soluções às incertezas em andamento e está entusiasmada com o nível de interesse nos locais que vão sediar os eventos da Fórmula 1 neste ano e além”, diz ainda.   

A etapa japonesa é a quinta cancelada ou adiada na temporada 2021. Canadá, Singapura e Austrália abriram mão de realizar a prova e a da Turquia foi suspensa e depois remarcada para 3 de outubro.   

O Japão vem registrando uma alta constante nos casos e internações desde o mês de junho. O país realizou os Jogos Olímpicos de Tóquio, e ainda sediará as Paralimpíadas, mas a opinião pública criticou constantemente a realização dos dois eventos em meio à pandemia. Com isso, o governo também poupa sua imagem ao negar ser sede de mais uma prova internacional.   

Atualmente, o país tem uma média de mais de 18 mil casos diários, algo nunca registrado antes, e cerca de 50% das unidades de terapia intensiva dedicadas aos pacientes com coronavírus Sars-CoV-2 ocupadas.   

Outro ponto preocupante é a lentidão na campanha de vacinação anti-Covid. De acordo com os dados do portal Our World in Data, cerca de 50,5% dos cidadãos já iniciaram o ciclo de imunização, mas apenas 39% estão com a vacinação completa.   

Por conta disso, o governo nacional decidiu estender o estado de emergência em 15 prefeituras até o dia 12 de setembro. Mas, diferentemente dos vizinhos asiáticos ou de países ocidentais, a declaração não impõe lockdown ou restrições duras. As medidas mais intensas são na limitação do horário dos restaurantes e bares e a proibição de venda de bebidas alcoólicas em “locais de diversão” após às 20h. (ANSA).   

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio