Mundo

Governo sírio põe 3 milhões de civis em risco, denuncia ONU

Governo sírio põe 3 milhões de civis em risco, denuncia ONU

(Julho) O enviado especial da ONU para a Síria, Geir Pedersen, chega a Damasco - AFP

As operações de “contraterrorismo” de Damasco, apoiadas pela Rússia, não justificam que se ponha três milhões de civis em perigo em Idlib, na Síria – disse o enviado especial da ONU, Geir Pedersen, ao Conselho de Segurança nesta quinta-feira (29).

Por iniciativa de Bélgica, Kuwait e Alemanha, o órgão votará, em uma data ainda a ser definida, uma resolução para ordenar o fim imediato das hostilidades nessa região síria e a proteção das instalações civis, especialmente médicas.

O texto, ao qual a AFP teve acesso, também pede acesso humanitário sem restrições a todo país. Ainda não se conhece a posição da Rússia.

Embora os ataques extremistas “tenham de ser contidos”, “o contraterrorismo não pode pôr três milhões de civis em perigo”, frisou Pedersen, que pediu o fim “das ações que levam a mortes e deslocamentos”.

O Conselho de Segurança “pode tomar medidas concretas para proteger os civis e assegurar o respeito pleno ao Direito Internacional humanitário”, explicou o secretário-geral adjunto da ONU para assuntos humanitários, Mark Lowcock, que considerou injustificados os ataques a civis.

O embaixador americano na ONU, Jonathan Cohen, rejeitou “a falsa pretensão de operações antiterroristas” de Damasco.