Economia

Governo quer privatizar Congonhas e Santos Dumont em 2021 ou 2022, diz ministro

Governo quer privatizar Congonhas e Santos Dumont em 2021 ou 2022, diz ministro

A medida abrange concessões de infraestrutura como rodovias e aeroportos.


O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse nesta segunda-feira, 24, que o governo pretende privatizar os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro, em 2021 e “no mais tardar em 2022”.

“Já fizemos 12 leilões de aeroportos. Houve interesse da iniciativa privada. Em outubro, vamos fazer um leilão de 22 aeroportos. E depois mais um leilão de outros 22 aeroportos, incluindo Santos Dumont e Congonhas”, comentou em evento promovido pela Lide, Conselho de Líderes Empresariais, no Rio de Janeiro.

De acordo com o ministro, todos os aeroportos da Infraero serão transferidos para a iniciativa privada. “A ideia é passar tudo para a iniciativa privada até 2021”, penúltimo ano do governo Bolsonaro.

Freitas lembrou que o Aeroporto de Macaé, no Norte do Estado do Rio, já vai ter a administração transferida para a iniciativa privada no segundo semestre deste ano.

Segundo ele, a política de Céus Abertos, que permite às empresas estrangeiras operarem no Brasil, sem limitação de capital nacional, vai atrair concorrência no País e já existem “entre três e quatro empresas estrangeiras” interessadas em iniciar operações no Brasil.


+ MS: Homem que revelou amante pouco antes de ser intubado deixa UTI-covid
+ Ratinho critica Dudu Camargo: ‘Só o Silvio gosta dele’



Docas

O ministro da Infraestrutura disse ainda que o governo vai iniciar a privatização do setor portuário, que começará com a venda da Docas do Espírito Santo (que teria pouco passivo trabalhista) e em seguida com a Docas de São Sebastião, em São Paulo. “A gente acha que (a privatização da Docas do Espírito Santo) é um bussiness interessante. E vamos em sequência fazer a venda das Docas de São Sebastião e ver como o mercado reage”, comentou.

Ele informou que pretende também abrir o capital do Porto de Santos e “pensar algo semelhante para o Rio e Janeiro”, anunciou.

Segundo o ministro, o Brasil está na mira dos investidores em infraestrutura e o processo de privatização terá apoio do BNDES, Caixa Econômica Federal e da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), que não será extinta.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Descoberta no deserto do Kalahari leva a revisão da origem humana
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS