Geral

Governo pede na OEA que Venezuela se manifeste sobre óleo, diz Salles

Crédito: Divulgação

PERIGO O ministro Ricardo Salles esteve no Sergipe para avaliar amostras: a Petrobras informou se tratar de petróleo bruto produzido fora do Brasil (Crédito: Divulgação)

O Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fez um pronunciamento na noite de hoje (23) em rede de televisão e rádio no qual afirmou que o governo vem monitorando o litoral desde que as primeiras manchas de óleo surgiram da costa. Segundo o ministro o óleo coletado foi analisado e a conclusão é que não foi extraído do território nacional; a origem é venezuelana. E o presidente determinou que fosse encaminhada solicitação formal à Organização dos Estados Americanos (OEA) para que a Venezuela se manifeste sobre o material coletado.

“Esse processo investigativo tem como principal objetivo determinar as causas e origens desse óleo e, com isso, não apenas fazer cessar o seu aparecimento no litoral brasileiro, mas também obter informações que nos permitam responsabilizar aqueles que tenham contribuído para esse desastre ambiental”, disse o ministro no pronunciamento.

Salles afirmou ainda que o Grupo de Acompanhamento e Avaliação, composto pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustívei (ANP) e Marinha está com ações para a retirada do óleo encontrado nas praias em 2 mil quilômetros de costa entre Maranhão e da Bahia. Há salas de controle de comando e controle, nas cidades de Salvador e Recife, que contam com a participação dos órgãos federais e de órgãos estaduais e municipais.

Foram criadas ainda barreiras físicas e utilizados produtos bioquímicos, mas que segundo o governo não obtiveram os resultados pretendidos. Por isso, o efetivo utilizado nas ações foi ampliado em 1.500 pessoas, num total de 5 mil profissionais. As causas e origens do incidente estão sendo investigadas pela Marinha, Guardas Costeiras estrangeiras e Polícia Federal.”

Identificação

Segundo o ministro, só é possível identificar as manchas de óleo quando chegam na costa brasileira. “Por tratarem-se de um material pesado, que se movimenta a cerca de 1 metro e meio abaixo do nível da superfície, impossibilitando a sua identificação e rastreamento, seja pelos sistemas de satélite e radar, ou mesmo na tentativa visual por barcos, aviões e helicópteros”.

O Ministro falou ainda da liberação do seguro defeso para pescadores que tenham sido prejudicados pela contaminação do óleo. A estimativa é que o governo federal desembolse R$ 59 milhões com a ação. O Ministro fala ainda da ação dos voluntários e da necessidade de uso de equipamentos de segurança adequados. “Com a ajuda de todos, as nossas praias vêm sendo limpas praticamente no mesmo dia, sendo restabelecidas as condições para o turismo e a segurança dos visitantes e moradores, além da correta destinação do óleo coletado”, diz Salles.