As Forças Armadas das Filipinas afirmaram nesta quarta-feira que a Guarda Costeira da China abordou embarcações de sua frota e confiscou armas durante a semana no Mar do Sul da China.

O incidente aconteceu perto do banco de areia de Ayungin, conhecido como Second Thomas Shoal em inglês, nas ilhas Spratly, que abriga um pequeno contingente filipino mobilizado ao redor de um navio de guerra.

Nos últimos meses foram registrados vários confrontos entre navios chineses e filipinos na região.

“A Guarda Costeira chinesa abordou ilegalmente nossas lanchas”, afirmou o comandante das forças do Mar do Sul da China das Filipinas, o contra-almirante Alfonso Torres.

“Levaram algumas (armas)”, disse Torres, que explicou que as armas estavam guardadas em navios tripulados por marinheiros filipinos e que as tropas tinham ordens de não exibi-las no confronto que ocorreu durante a semana nesta área em disputa.

A China reivindica todo o Mar do Sul da China, apesar das reivindicações de vários países do sudeste asiático, incluindo as Filipinas.

Torres informou que a Guarda Costeira chinesa também atingiu “deliberadamente” as embarcações filipinas.

O comandante-chefe do Exército filipino, general Romeo Brawner, acusou os integrantes da Guarda Costeira chinesa de estarem armados com espadas, lanças e facas.

O banco de areia de Ayungin, onde existe um atol, fica a quase de 200 quilômetros do arquipélago filipino de Palawan e a mais de 1.000 quilômetros da costa chinesa mais próxima, a ilha de Hainan.

pam/cgm/cwl/mas-an/zm/fp