Mundo

Governo federal dos EUA prepara última execução do mandato de Trump

Governo federal dos EUA prepara última execução do mandato de Trump

A prisão de Terre-Haute, Indiana, em 25 de julho de 2019 - GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Arquivos

As autoridades federais dos Estados Unidos preparam, nesta sexta-feira (15), sua décima terceira e última execução de uma série inédita, antes da transferência do poder de Donald Trump para Joe Biden, que fez campanha pela abolição da pena de morte.

A menos que a Justiça lhe conceda um perdão de última hora, Dustin Higgs, um homem negro de 48 anos, receberá uma injeção letal na Penitenciária Federal de Terre-Haute, em Indiana.

Certa noite, em janeiro de 1996, ele convidou três jovens mulheres para o seu apartamento perto de Washington com dois amigos. Uma das garotas recusou seus avanços, e ele se ofereceu para levá-las para casa, mas em vez disso parou em terras federais isoladas.

Lá, segundo o Departamento de Justiça, ele ordenou que um de seus amigos atirasse nas três mulheres.

Em 2000, ele foi condenado à morte por sequestro e assassinato. O autor dos tiros foi condenado à prisão perpétua.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

“É arbitrário e injusto punir Higgs mais do que o assassino”, disse seu advogado, Shawn Nolan, em um pedido de clemência dirigido a Trump no final de dezembro.

Mas o presidente republicano, um ferrenho defensor da pena de morte, não concordou. Pelo contrário, seu governo foi à Justiça para prosseguir com a execução antes que ele deixasse a Casa Branca na próxima quarta-feira.

Um tribunal havia ordenado seu adiamento com base no fato de que Higgs havia contraído covid-19 e que seus pulmões afetados pela doença provavelmente sofreriam fortes dores no momento da injeção de pentobarbital.

O Departamento de Justiça imediatamente apelou e ganhou o caso.

Um último recurso, desta vez relacionado a questões de competência, continua pendente no Supremo Tribunal Federal, cuja maioria conservadora tem consistentemente dado sinal verde às execuções federais desde o verão passado.

v

O governo republicano retomou essa prática suspensa por 17 anos em julho, enquanto os estados passaram a adiar todas as execuções para evitar a disseminação do vírus.

Desde então, 12 pessoas receberam injeções letais em Terre-Haute, incluindo, pela primeira vez em quase 70 anos, uma mulher, que foi executada na terça-feira, apesar de dúvidas sobre sua saúde mental.

Biden, que tomará posse como novo presidente na quarta-feira, se opõe à pena de morte e prometeu trabalhar com o Congresso para tentar abolí-la em nível federal.

Parlamentares democratas apresentaram na segunda-feira um projeto de lei nesse sentido que tem chance de ser aprovado quando o partido retomar o controle do Senado.

Veja também

+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Em entrevista Andressa Urach relembra episódio em que praticou zoofilia
+ Lívia Andrade posa com estrelas do mar no corpo: “Bem sereiuda”
+ Cristaleira: como transformar o móvel de ‘casa de vó’ em um item lindo e atemporal
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica