Mundo

Governo de Maduro liberta mais 43 presos por ‘violência política’

Governo de Maduro liberta mais 43 presos por ‘violência política’

O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, durante coletiva de imprensa em Caracas, capital do país, em 31 de agosto de 2017 - AFP

O governo da Venezuela libertou nesta quarta-feira (13) um grupo de 43 presos acusados de “violência política”, como parte de um processo empreendido pelo presidente Nicolás Maduro após sua questionada reeleição em 20 de maio.

Dez libertados compareceram a um ato na chancelaria, presidido pela presidente da Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez, e pelo procurador-geral, Tarek William Saab.

“A Venezuela tem que se sentir de alguma maneira regozijada (…), privados de liberdade que hoje reconquistam seu precioso direito de estar com seus familiares”, disse Saab.

Também compareceram como “garantidores” vários dirigentes opositores, entre eles Ramón Guevara, governador do estado de Mérida (oeste), que informou que “saíram 43 presos políticos”.

Ao se retirar da chancelaria, Guevara disse à imprensa que Rodríguez lhe garantiu que, como parte desse grupo, será solto nesta quinta-feira o opositor Villca Fernández, de 34 anos, que foi detido em janeiro de 2016, acusado de “instigação ao ódio e difusão de informação falsa”.

Guevara disse que “o compromisso” é que nas primeiras horas da manhã Fernández – membro do partido do líder de oposição Leopoldo López – seja entregue no aeroporto de Caracas, para ser levado ao estado Mérida.

Após sua reeleição, boicoteada pela oposição desconhecida por grande parte da comunidade internacional, Maduro ofereceu a libertação de opositores para “superar as feridas” dos protestos de 2014 e 2017, que deixaram cerca de 200 mortos.

Rodríguez afirmou que as libertações foram administradas pela Comissão da Verdade desse órgão, a pedido de Maduro.

Desde o dia 1 de junho já foram libertados 123 presos acusados de “violência política”, entre eles o ex-prefeito Daniel Ceballos, o general aposentado Ángel Vivas e o deputado Gilber Caro.