Cultura

Governo da Venezuela anuncia repatriamento de pedra sagrada indígena da Alemanha

Governo da Venezuela anuncia repatriamento de pedra sagrada indígena da Alemanha

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em 14 de janeiro de 2020 - AFP/Arquivos

O governo da Venezuela anunciou nesta segunda-feira o repatriamento de uma pedra sagrada da comunidade indígena Pemón, exposta no principal parque de Berlim, após um “acordo amistoso” com a Alemanha.

“Assim começa a restituição da pedra sagrada do povo Pemón”, escreveu no Twitter o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, indicando que a peça foi “removida” do Parque Metropolitano Tiergarten, o maior da capital alemã.

A entrega é “produto de um acordo amistoso, da insistência do povo Pemón e do esforço do governo” do presidente socialista Nicolás Maduro, disse o ministro.

O funcionário publicou com suas mensagens fotos e vídeos “exclusivos” que mostram a rocha Kueka (avó, na língua indígena), de 30 toneladas, sendo colocada em uma grua e trasladada por uma avenida.

“Tocará terra venezuelana” após “várias semanas de viagem de Berlim”, disse Arreaza.

Em junho de 2012, o governo alemão anunciou que procurava uma solução amistosa em um litígio com a Venezuela próximo da pedra sagrada, depois que o país petroleiro anunciou sua reclamação em maio do mesmo ano.

Em 1998, em virtude de uma doação do governo do presidente venezuelano Rafael Caldera, o monumento foi extraído pelo artista alemão Wolfgang von Schwarzenfeld e transportada para a Alemanha, onde fue talhada, polida e exposta no marco do projeto Global Stone, um conjunto de rochas arqueológicas expostas no parque Tiergarten.

A pedra Kueka foi exposta até 1998 no Parque Nacional Canaima, no sul da Venezuela, em uma zona habitada pelo povo Pemón, que a considera sagrada. Segundo a lenda, é uma anciã que se tornou rocha.