Mundo

Governo boliviano alerta sobre automedicação “irracional” contra COVID-19

Governo boliviano alerta sobre automedicação “irracional” contra COVID-19

Indígenas bolivianos fazem fila em El Alto, 18 de maio de 2020, enquanto aguardam para retirar ajuda de 500 bolívares (US$ 71) do governo para famílias durante a pandemia do novo coronavírus - AFP

O governo boliviano alertou para a automedicação “irracional” para enfrentar a COVID-19 na região amazônica de Beni (nordeste), onde muitos moradores apresentaram hemorragias depois de consumir fórmulas artesanais supostamente preventivas e curativas.

O ministro da Defesa boliviano, Fernando López, informou que na capital de Berni, Trinidad – que tem cerca de 130.600 habitantes – muitos “estão sendo irracionais”.

“Os pacientes com hemorragia interna já estão chegando aos hospitais e passaremos de uma crise de coronavírus para uma crise de negligência médica em termos de prescrição”, disse López em entrevista coletiva, sobre a circulação de combinações supostamente eficazes contra o vírus.

“Por favor, por favor! Ajudem-nos a que os benianos (moradores de Beni) não se automediquem, pedimos a eles, cuidado para não passarmos de um problema para outro; estamos muito preocupados”, disse o ministro.

Diferentes misturas medicinais circulam nas redes sociais sem sustentação científico como soluções para combater o coronavírus.

O diretor do Serviço Departamental de Saúde de Beni, Jhonny Gómez, alertou que “nos últimos dias houve mais casos de pessoas intoxicadas pelo consumo de até nove medicamentos”, segundo declarações publicadas pelo jornal Página Siete.

Além disso, foi detectado que um médico “professa que a doença se cura com (o medicamento) cotrimoxasol e está dando esse medicamento”.

Por outro lado, o governo autorizou semanas atrás o uso de ivermectina, um antiparasitário para uso animal, para o tratamento de pacientes com coronavírus, embora tenha esclarecido que sua efetividade carecia de base científica.

Em Beni, região agrícola e pecuária que faz fronteira com o Brasil, existem até o momento 1.142 infecções e 72 mortes, tornando-o o segundo departamento mais afetado pelo vírus, depois de Santa Cruz (leste).

No país, os casos chegam a 6.660 e as mortes a 261.

O ministro da Defesa informou que, para tentar “diminuir o número de mortos” em Trinidad, o trabalhadores da saúde, civis e militares realizarão uma operação para encontrar os doentes a partir da próxima segunda-feira.

“As Forças Armadas, juntamente com os médicos, farão a varredura de casa em casa”, disse López, acrescentando que a cidade “será encapsulada”. “Ninguém sai”, alertou.

O presidente da Assembleia Legislativa regional, Yáscara Moreno, disse que o sistema de saúde “está em colapso”; portanto, as autoridades locais pediram ajuda nacional e internacional urgente.

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ Leilão tem Camaro por R$ 72 mil e Versa por R$ 22 mil
+ Gafanhotos: Bahia enfrenta nuvem de insetos
+ A história da Rural e da picape F-75, avós dos SUVs brasileiros
+ 5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
+ Hackers brasileiros roubaram dados de clientes em 12 bancos
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior