Geral

GO: Casal gay é obrigado a devolver bebê adotada após 12 dias

Crédito: Reprodução

O casal Juliano Peixoto e Johnatan Pereira está em uma briga judicial pela guarda de uma criança em Pirenópolis (GO). Após seis anos na fila de adoção, eles receberam da Vara da Infância e da Juventude a guarda provisória de uma bebê. No entanto, estão sendo obrigados pelo Tribunal de Justiça de Goiás a devolver a filha recém-adotada. As informações são do Uol.

Juntos há 12 anos, o casal decidiu aumentar a família e se inscreveram no SNA (Sistema Nacional de Adoção). “Passamos por um período de habilitação, onde fomos avaliados em diversos quesitos, como condição psicossocial e financeira. Isso tudo é um olhar anterior para confirmar que nós tínhamos condição de entrar como um casal adotante”, explicou Juliano ao UOL.

Em setembro de 2020, o casal foi avisado sobre a disponibilidade de uma criança para adoção que se encaixava no perfil desejado. “Nossa única exigência é que fosse entre 0 e 2 anos. E nós fomos contemplados com esse presente que é Aurora. Fomos até a vara e assinamos todos os papéis”, continuou.

Os problemas começaram após a família acolhedora, que é onde a bebê estava provisoriamente, se recusou a entregá-la. “Foi preciso ser expedido um mandado de busca e apreensão e a criança só chegou para nós 48 horas depois”, explicou Juliano.

No entanto, a família acolhedora entrou com um recurso pedindo a nulidade da adoção e cerca de 12 dias depois o TJ-GO revogou a adoção e obrigou o casal a devolver a bebê. “Desde então, estamos sem nossa filha e esperando o julgamento do nosso recurso. Todo mundo que viu nossa situação considera essa decisão do TJ um absurdo”, concluiu Juliano Pereira em entrevista ao Uol.


+ Atleta de Jiu Jitsu morre aos 30 anos de Covid 15 dias após perder o pai pela doença
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Mulher morre após ingerir bebida alcoólica e comer 2 ovos



Instagram will load in the frontend.

Família acolhedora

A mulher que entrou com o recurso para ficar com a guarda da criança se chama Thays Veiga. Ao Uol, ela explicou que já havia constituído um vínculo afetivo com a menina e, por essa razão, resolveu adotá-la.

“Eu e minha prima resolvemos adotar cinco crianças, que estavam precisando de cuidados. A gente deu muito amor a essas crianças. Eu não sou família acolhedora. Não passei por estudo psicossocial nenhum para ser família acolhedora. Eu só assinei um termo de responsabilidade porque as crianças estavam comigo”, afirmou Thays.

Especialista em adoção, a advogada Cristina Ribeiro avalia que o caso apresenta uma “controvérsia jurídica”. “O casal foi convocado pela Vara da Infância e Juventude da Comarca de Pirenópolis para receber Aurora como filha para fim de adoção. E foi obstaculizado pela família acolhedora. É como se um abrigo estivesse obstaculizando uma criança de receber uma família”, explicou ao Uol.

De acordo com a Presidente da Comissão de Direitos da Criança e do Adolescente da OAB-GO, Bárbara Cruvinel, o órgão tomou conhecimento do caso e está “analisando minuciosamente os autos do processo, para na sequência elaborarmos parecer para que seja fundamentado juridicamente o nosso posicionamento”. O recurso do casal no TJ-GO deve ser julgado no próximo dia 15.

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS