Os metalúrgicos das fábricas da General Motors em São Caetano do Sul, São José dos Campos e de Mogi das Cruzes, todas no Estado de São Paulo, aprovaram nesta sexta-feira, 1º, proposta da empresa de abertura de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) que visa cortar 1.215 vagas nas três unidades.

A proposta envolve valores extras de salários de acordo com o tempo de casa e carros da marca. O PDV foi negociada entre dirigentes da empresas e dos três sindicatos de metalúrgicos que representam os trabalhadores dessas unidades.

“Nós construímos juntos a proposta e ela é excelente”, diz o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Aparecido Inácio da Silva. As negociações começaram ainda em outubro, logo após a GM suspender, por determinação da Justiça do Trabalho, as demissões de 1.244 trabalhadores.

O PDV é aberto a todos os empregados, tanto os que estão trabalhando regularmente como o que estão em licença remunerada – após suspender os cortes, a GM colocou os funcionários que estavam na lista de demissões em licença remunerada.

Onix Hatch

Além dos direitos normais de demissões, o PDV estabelece seis meses de salário extra, adicional de R$ 15 mil e plano médico por três meses ou R$ 6 mil para trabalhadores que tenham de um a seis anos de fábrica. Para aqueles com sete anos ou mais, serão pagos cinco meses de bônus, um carro Onix Hatch LS ou R$ 85 mil, e plano médico por seis meses ou R$ 12 mil.

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, para cada adesão de trabalhador que esteja ativo haverá o retorno de outro que está em licença remunerada. As inscrições para o PDV serão entre os dias 5 e 12 deste mês. Quem não aderir, terá estabilidade no emprego até 31 de maio de 2024.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias