Mundo

Gibraltar e Irã têm ‘reunião positiva’ sobre petroleiro iraniano retido

Gibraltar e Irã têm ‘reunião positiva’ sobre petroleiro iraniano retido

O petroleiro iraniano "Grace 1", em 6 de julho de 2019 em frente à costa de Gibraltar - AFP

O chefe de governo de Gibraltar, Fabian Picardo, disse ter tido uma “reunião positiva” com funcionários iranianos para “diminuir a tensão”, após a detenção de um petroleiro dessa bandeira no começo de julho, em frente à costa do território britânico – informaram autoridades locais nesta quinta (18).

“Picardo se reuniu ontem (quarta-feira), em Londres, com funcionários iranianos para falar sobre assuntos relacionados com a retenção do ‘Grace 1’ e tentar diminuir a tensão”, disse o governo em um comunicado.

“A reunião foi construtiva e positiva”, acrescentou a nota, sem mais detalhes.

O “Grace 1”, um navio com carga para 2,1 milhões de barris de petróleo, foi interceptado em 4 de julho pela polícia e pelos serviços aduaneiros de Gibraltar, com a ajuda de um destacamento da Marinha Real britânica.

As autoridades deste pequeno território britânico no extremo sul da península ibérica suspeitam de que a carga estivesse sendo transportada para a Síria. Neste caso, estaria configurada uma violação das sanções europeias ao governo de Bashar al-Assad. Teerã nega e denuncia um ato de “pirataria”.

O tribunal supremo de Gibraltar autorizou a imobilização do navio por 14 dias, até 19 de julho. A autorização foi prorrogada por mais 90 dias.

No último sábado, o ministro britânico das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, afirmou que o petroleiro seria devolvido, se o Irã desse garantias de que seu destino não seria a Síria.

A declaração surgiu após uma conversa com o chanceler iraniano, Mohamad Javaz Zarif, que assegurou que o país não busca “uma escalada”.

Na terça-feira, o guia supremo iraniano, Ali Khamenei, disse que Teerã reagiria no momento oportuno pela intercepção do petroleiro por parte da “cruel Grã-Bretanha”.

Hoje, o Irã anunciou ter apresado “um petroleiro estrangeiro” e sua tripulação, suspeita de “contrabando” de combustível no Golfo, região sob alta tensão há mais de dois meses.