Garotinho quer voltar

Crédito: Mauro Pimentel / AFP

(Crédito: Mauro Pimentel / AFP)

Ninguém (nem a família) tira da cabeça de Anthony Garotinho o desejo de se candidatar a governador do Rio de Janeiro, cargo que ocupou de 1998 a 2002. Ele anda às turras com o governador Cláudio Castro pelo tratamento dispensado. O ex-governador tem capital popular, o filho é prefeito de Campos, com aliados em Brasília. O seu plano B é a Câmara.

TV Escola fica fora do ar (eleitoral)

Suamy Beydou

Uma ironia do destino. Quando Abraham Weintraub era ministro da Educação,
a TV Escola — que pertence à Fundação Roquette Pinto — foi perseguida pela extrema direita a ponto de o MEC não renovar o contrato. Apesar de privada, o ex-ministro queria “tomar” a emissora. Arrumou confusões e comprou brigas para seu objetivo, sem êxito. Agora, com Weintraub fora ­— do MEC e dos planos da família Bolsonaro —, assessores do presidente da República elogiam a entidade. Espalham que, graças à direção da TV Escola, Weintraub não conseguiu fazer da emissora um bunker da sua malvista campanha a governador de São Paulo.

E o subchefe derrubou o general

Divulgação

É tamanho o poder de Pedro Cesar Sousa, subchefe para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência, que palacianos põem na sua conta a demissão do diretor-geral da Usina de Itaipu, o general João Francisco Ferreira. Oficialmente, o militar pediu exoneração por motivos pessoais. Mas até os tapetes do 4º andar do Palácio sabem: o militar tinha acesso livre ao presidente Bolsonaro, e agendou duas reuniões diretamente com o chefe. A primeira, Sousa deixou passar. A segunda, não perdoou. Se Bolsonaro quer ordem, tudo deve passar pelo subordinado que mais despacha com o presidente.

Consórcio de compadres na Anatel

Gente próxima de Jair Bolsonaro atua para que Emmanoel Campelo seja nomeado o próximo presidente da ANATEL. Entra no radar de lobistas o empresário Francisco Maximiano, da Precisa Medicamentos, e o presidente do BNDES, Gustavo Montezano. No trato do compadrio está o empoderamento da empresa de Maximiano, a XIS Internet Fibra, junto ao banco de fomento. Há duas semanas o processo se intensificou, com andanças por Brasília do sócio de Maximiano, Danilo Fiorini. Campelo tem como padrinhos seu pai, novo presidente do TST, Emmanoel Pereira; e o irmão advogado Erick Pereira. Todos amigos próximos do ministro das Comunicações, Fabio Faria.

TCU e PF entram em curto-circuito

Há rusgas entre a Polícia Federal e o Tribunal de Contas da União, que só pioram. A ponto de a Corte administrativa negar a um delegado de PF e equipe de cibernética o acesso aos autos que analisam recentes ataques hackers nos computadores dos ministros. TCU alega sigilo de informações.

Profissionais da praia

Agora, vai… Duas categorias tradicionais praianas estão na fila na Câmara para serem regulamentadas. Um projeto de lei do deputado Nivaldo Albuquerque (PTB-AL) cria a profissão de Tirador e Descascador de Coco. E orbita numa gaveta da CCJ um projeto de Walter Alves (MDB-RN) e Dr Jaziel (PL-CE) que oficializa o buggeiro turístico.

Um festival de gafes

Deputados bolsonaristas precisam de intensivão. Dois deles — Carla Zambelli e Nélio ‘Negão’ — lançaram irmão da primeira-dama Michelle à Câmara. A Lei barra, pelo parentesco. Outros querem Olavo de Carvalho no Livro de Heróis da Pátria. A demanda só pode ser registrada daqui 10 anos, e requer exemplo de heroísmo. Está difícil.

Nos bastidores

Do trono à poltrona
Quatro ex-governadores do DF devem disputar para deputado: Cristovam Buarque (Cidadania), Rodrigo Rollemberg (PSB), Agnelo Queiroz (PT) e Rogério Rosso (Progressistas).

Os ‘ativos’ do INSS
O INSS é dono, à revelia, de cemitério em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, e de uma praça na pequena Armação de Búzios, na Região dos Lagos. A direção do órgão luta para recuperar os lotes.

Tudo parado na serra
Uma das principais cidades-pólo do Estado do Rio de Janeiro, Petrópolis assiste há um ano um vaivém de liminares judiciais que se alteram com o inquilino do gabinete na Prefeitura, após eleição subjudice. Nada avança em licenças, serviços e afins.

Brasileirada no Peru

São tantos brasileiros subindo para Machu Picchu todos os dias que o governo criou o vice-consulado do Brasil em Cusco, base turística para viagem. E retirou status de consulado da cidade de Iquitos.


Sobre o autor

Leandro Mazzini começou a carreira jornalística em 1996. É graduado em Comunicação Social pela FACHA, do Rio de Janeiro, e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. A partir de 2000, passou por ‘Jornal do Brasil’, ‘Agência Rio de Notícias’, ‘Correio do Brasil’, ‘Gazeta Mercantil’ e outros veículos. Assinou o Informe JB de 2007 a 2011, e também foi colunista da Gazeta. Entre 2009 e 2014 apresentou os programas ‘Frente a Frente’ e ‘Tribuna Independente’ (ao vivo) na REDEVIDA de Televisão, em rede, foi comentarista político do telejornal da Vida, na mesma emissora e foi comentarista da Rede Mais/Record TV em MG. Em 2011, lançou a ‘Coluna Esplanada’, reproduzida hoje em mais de 50 jornais de 25 capitais e interior Foi colunista dos portais ‘UOL’ e ‘iG’ desde então, e agora escreve no blog que leva seu sobrenome no portal da ‘Revista Isto É’, onde conta com o trabalho dos jornalistas Walmor Parente, Carolina Freitas e Sara Moreira, além de correspondentes no Rio e Recife. É também comentarista das rádios ‘JK FM’ em Brasília, ‘Super TUPI’, do Rio, e ‘Rádio Muriaé’.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.