Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

Mais conhecida pelas garçonetes em roupas justas do que pela comida, a rede norte-americana Hooters também é bastante criticada por valorizar apenas a beleza de suas funcionárias.

+ Chef proíbe ricaços que assediaram garçonete de voltar a seu restaurante
+ Juiz inocenta chef Mario Batali em caso de agressão sexual
+ 2 em cada 3 brasileiras já foram assediadas em bares e restaurantes

Uma das principais queixas é de que a empresa ajuda a reforçar o estereótipo de que mulheres atraentes são burras e que isso incentivaria alguns clientes a serem grosseiros e abusivos com as atendentes dos restaurantes.

E esse problema realmente existe, garante Leah Fennnely, que começou a trabalhar em 2016 em uma loja do Hooters no Estado da Flórida (EUA), quando tinha apenas 17 anos.

@leah_fennelly Sunday edition 🧡 #hooters #serverlife #hootersgirl #workwithme ♬ original sound – Leah Fennelly


+ 31 características de quem é de Gêmeos
+ Seca extrema leva cidade de 3.400 anos a emergir do rio Tigre no Iraque
+ Geisy Arruda toma banho de rio de fio-dental e brinca de sereia

Por causa disso, a hoje estudante de direito de 23 anos decidiu revelar em sua conta no TikTok como é sua rotina. Segundo a garçonete, é comum alguns clientes serem grosseiros e dizerem que querem levá-la para a cama. Esses frequentadores também são “agressivos e insistentes”, disse ela ao site Debate México.

“Esses clientes escrotos nos perguntam coisas como: ‘Você está no cardápio?’ e ‘Quero que minha as asas fiquem quentes e nuas como você”, afirmou a funcionária da rede de restaurantes.

Os homens que passam do ponto, porém, nem chegam a jantar, contou Leah. Quando isso acontece, a atendente relata o problema imediatamente ao gerente da unidade e o cliente é expulso do restaurante em poucos minutos.

Graças a essas experiências, Leah se tornou uma influencer no TikTok. A funcionária do Hooters tem mais de 150 mil seguidores e seus vídeos já receberam mais de 2 milhões de curtidas.

(*) Da redação da Menu