Brasil

Funarte proíbe participação de bandas de rock em edital de concurso

Crédito: Reprodução/ YouTube

Apesar de direcionado a instrumentos de sopro, o edital não restringe outros tipos de ritmo, apenas o rock (Crédito: Reprodução/ YouTube)

O edital do “Prêmio de Apoio a Bandas de Música 2020” divulgado pela Funarte nesta quarta-feira (22) proíbe a participação de bandas de rock. O concurso visa premiar bandas de todo o país, proporcionando distribuição gratuita de instrumentos de sopro e ampliação e/ou reposição instrumental.

Apesar de direcionado a instrumentos de sopro, o edital não restringe outros tipos de ritmo, apenas o rock.

“Não poderão participar do processo seletivo bandas de música beneficiadas com recursos oriundos das emendas parlamentares e pelos órgãos estaduais de cultura nos anos de 2018 e 2019; tampouco ‘fanfarras’ ou ‘bandas marciais’ ligadas ou não a instituições do ensino regular público ou privado, ‘bandas de pífanos’, ‘bandas de rock, ‘big-bands’, bem como conjuntos musicais assemelhados, conjuntos musicais de instituições religiosas, bandas militares e bandas de instituições de segurança pública”, informa o edital.

Essa não é a primeira vez que o presidente da Funarte, Dante Mantovani, mostra-se contra o ritmo. Nomeado por Roberto Alvim, então secretário de Cultura, o maestro e youtuber assumiu a Fundação em dezembro de 2019.

Em alguns dos vídeos postados por Mantovani, ele afirma que o “rock ativa as drogas, que ativam o sexo livre, que ativa a indústria do aborto, que ativa o satanismo”. Começando seu discurso fazendo a junção da escola de Frankfurt com o pensador Adorno e os Beatles.

Em outro ponto, afirma que os soviéticos estavam infiltrados na CIA com finalidade de “destruir a moral burguesa da família americana”. Época, segundo ele, em que surge Elvis Presley, com seu requebrado, morrendo de “overdose”.