Brasil

“Fui punido por ter feito minha obrigação”, diz funcionário que multou Bolsonaro

Crédito: Divulgação

Bolsonaro foi multado por pesca irregular em 2012 (Crédito: Divulgação)

O Diário Oficial da União desta quinta-feira, 28 de março, anunciou a exoneração de José Olímpio Augusto Morelli do cargo de chefia que ocupava no Ibama, autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente. Morelli é o servidor que, em janeiro de 2012, multou em R$ 10 mil o então deputado federal Jair Bolsonaro por pesca irregular numa estação ecológica no litoral fluminense. É também ele o autor das fotos que mostram o deputado trajando camiseta e sunga brancas no bote inflável, ao lado de varas de pescar e caixas repletas de peixes.

Em entrevista à revista Piauí, o servidor disse que enxerga ligação entre sua exoneração e a multa aplicada a Bolsonaro. “A conexão é total, fui punido por ter feito minha obrigação”.

Bolsonaro, além de nunca ter quitado a multa, um ano depois apresentou um projeto de lei que impedia que fiscais do Ibama portassem ou usassem armas de fogo em suas missões de campo. Como o projeto não foi aprovado, o então parlamentar entrou com um mandado de segurança na Justiça Federal para conseguir autorização para a pesca amadora na mesma estação ecológica em que foi autuado.

Em janeiro deste ano, a superintendência do Ibama no Rio de Janeiro suspendeu a infração, com base num parecer da Advocacia-Geral da União de dezembro de 2018 segundo o qual Bolsonaro não teve amplo direito de defesa no processo. No início de março, um parecer técnico do Ibama afirmou que a multa aplicada a Jair Bolsonaro estaria prescrita há um ano e dois meses,

Morelli ocupava desde maio de 2018 a chefia do Centro de Operações Aéreas, divisão do Ibama responsável pela frota de seis helicópteros usados para a fiscalização do desmatamento na Amazônia e outras missões. O nome do substituto de Morelli ainda não foi anunciado pelo ministério; funcionário concursado, o engenheiro agrônomo segue no Ibama, sem função definida por enquanto.