ISTOÉ Gente

‘Fui condenado por defender um colega’, diz Datena sobre processo

Crédito: Reprodução/ Band TV

Datena (Crédito: Reprodução/ Band TV)


Datena foi condenado pela Justiça de São Paulo a pagar uma indenização de R$ 5 mil por danos morais a um policial militar, segundo o colunista Rogério Gentile, do UOL. O apresentador comentou a decisão, e disse que vai recorrer no processo.

Gabriel Medina fala sobre real motivo de fazer questão de Yasmin ir para Olimpíadas com ele

Antonela Avellaneda faz comunicado sobre polêmica com Pyong Lee em reality

“Fui condenado por defender um colega meu e assim farei até a morte. Eu não fui condenado a indenizar a Polícia Militar por ofensa coisa nenhuma. Eu disse que o cara não tem o equilíbrio necessário para usar uma farda da Polícia Militar. E eu continuo achando isso, e é por isso que nós vamos recorrer”, começou.

“Como cabe recurso, eu tenho direito a recurso. Eu fui condenado porque, quando a gente foi fazer um acidente, e a gente colabora pra caramba com o Corpo de Bombeiros, veio um cidadão e empurrou o nosso cinegrafista ostensivamente. Não sei por que o nosso cinegrafista e nem a Band não fizeram boletim de ocorrência sobre isso. Empurrou ostensivamente o nosso cinegrafista com o argumento de que ele não podia ficar naquele local, que era perigoso”, declarou Datena durante o “Brasil Urgente”.

Para finalizar, ele explica que vai recorrer. “Pô, se tem alguém que defende polícia aqui, sou eu. Mais do que eu, é difícil. Agora, quando o cara vem e empurra um cidadão que por acaso está no meu programa, por acaso é o meu companheiro de profissão e seria com qualquer outro, de qualquer outra emissora de televisão, eu me revolto. Acho que o nosso companheiro foi agredido, não foi feita a perícia para analisar isso, deveriam ter visto bem o vídeo. Ele foi empurrado, foi agredido. Ninguém pode exigir através de violência que se cumpra uma ordem. É só pedir para sair do lugar, pronto e acabou. Simples assim. Mais nada. Se tem alguém que ajuda o Corpo de Bombeiros aqui, sou eu. Pode ser que tenha alguém que ajude igual, mais não.”

O caso aconteceu em agosto do ano passado, em que o policial afirmou à Justiça que precisou falar de forma “enérgica” com o cinegrafista da Band para que ele se afastasse da “zona quente” de um acidente de carro. O veículo corria risco de explodir.

Veja também
+Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, revela que fez cirurgia na vagina
+ Vídeos mostram pessoas preparando saladas com Cheetos no TikTok
+ Mulher e filho de Schumacher falam sobre saúde do ex-piloto
+ Carvão “gourmet” que não suja as mãos vira meme nas rede sociais; ouça
+ Mãe encontra filho de 2 anos morto com bilhete ao lado ao chegar em casa
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago