O Dia

Fraude lesava consumidor em posto na Zona Norte

Conhecido como 'Bomba baixa', prática roubava quase 10% do combustível informado no equipamento

Novas irregularidades flagradas em postos de combustível revelam fraudes contra o consumidor. Ontem, agentes da Operação Barreira Fiscal, da secretaria de Governo e Relações Institucionais realizaram mais uma Operação Bomba Limpa e lacraram um bico de bomba de um estabelecimento que lesava os clientes em quase dois litros a cada 20 abastecidos.

A fraude é conhecida como “Bomba Baixa” e foi descoberta em um Posto Ipiranga na Avenida Professor Plínio Bastos nº 305, em Olaria, Zona Norte do Rio. A fraude consiste em um “gatilho” no equipamento que engana o cliente quanto á quantidade correta de combustível colocada no tanque.

No caso do posto de Olaria, a cada 20 litros que o consumidor pensava que era abastecido, o posto ficava com 1,8 litro, quase 10%. Em um tanque de 50 litros, por exemplo, o cliente era lesado em 4,5 litros O roubo foi detectado por técnicos do do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem), que descobriram uma placa eletrônica adulterada que possibilitava a fraude.

A responsável pelo posto foi conduzida para a Delegacia de Serviços Delegados (DDSD), na Cidade da Polícia, no Jacarezinho, Zona Norte, para prestar esclarecimentos. Além do Ipem, também participaram da Operação Bomba Limpa fiscais do Procon e da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio (Sefaz-RJ).

Em nota, a assessoria de imprensa da Ipiranga diz que a empresa “comercializa seus produtos combustíveis aos consumidores finais por meio dos postos revendedores, pessoas jurídicas independentes responsáveis pela aferição das bombas de combustível de seus estabelecimentos”.
Sobre a operação de ontem, a companhia diz que irá apurar o fato e tomar as medidas cabíveis. “A Ipiranga ressalta seu compromisso com o consumidor de fornecer produtos combustíveis em conformidade com os parâmetros definidos pelos órgãos competentes”, completa o comunicado.

Etanol apreendido nas divisas

Uma ação conjunta endureceu a fiscalização contra a entrada irregular de combustível no Rio de Janeiro. A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-RJ) realizou na madrugada de ontem um cerco nas principais divisas fluminenses. Ao todo, foram apreendidos 30 mil litros de etanol.

A Operação Fecha Fronteira reuniu 12 Auditores Fiscais, 18 policiais militares e seis agentes da Barreira Fiscal. As ações contra crimes tributários e sonegação fiscal são integradas com a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Rodoviária Federal e o Ministério Público Estadual.

Reportagem do DIA de abril de 2019 revelou que entre 150 e 200 caminhões-tanque, a maioria com etanol, entram todos os dias no estado sem declarar o produto. As informações não oficiais são de agentes rodoviários e o prejuízo para a arrecadação fluminense chegaria a R$ 5 milhões por dia, cerca de R$ 150 milhões por mês.