Tecnologia & Meio ambiente

Fóssil de réptil marinho é encontrado no estômago de outro fóssil

Fóssil de réptil marinho é encontrado no estômago de outro fóssil

O fóssil do ictiossauro foi descoberto em 2010 no sudoeste da China, de onde foi extraído no ano seguinte e transferido para o Museu do Geoparque Xingyi, no distrito de Wusha - Ryosuke MOTANI/AFP

O ictiossauro, um réptil marinho semelhante a um golfinho que viveu há mais de 230 milhões de anos, era provavelmente um megapredador, disse um grupo de paleontólogos nesta quinta-feira (20).

Eles chegaram a essa conclusão ao encontrarem no estômago da espécie, que era estudada há uma década, restos mortais de outro réptil, o talattossauro, que parecia uma iguana marinha e era quase tão grande quanto seu predador.

“O estudo sugere que mais ictiossauros do que pensávamos eram megapredadores, ou seja, se alimentavam de presas do tamanho de humanos ou maiores”, disse à AFP Ryosuke Motani, professor de paleobiologia da Universidade da Califórnia e co-autor da pesquisa publicada na revista iScience.

O ictiossauro tinha cerca de cinco metros de comprimento. “A maioria dos grandes ictiossauros que conhecemos tinha dentes pouco afiados, então acreditava-se que se alimentavam de lulas”, explicou o pesquisador.

Porém, a presença de uma presa de quatro metros, engolida sem cabeça nem cauda, mostra que ele era, sem dúvida, tão predador quanto os crocodilos, que também não tem dentes afiados, mas são capazes de capturar presas com suas poderosas mandíbulas.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

O fóssil foi descoberto em 2010 em um penhasco no sudoeste da China e, um ano depois, foi extraído e levado para o Museu do Geoparque Xingyi no distrito de Wusha. Os cientistas não podem afirmar que o animal era um predador e não um necrófago, mas há pistas que apontam para a primeira opção.

“Não há sinais de apodrecimento da presa: se fosse um cadáver em decomposição, os dedos não estariam mais presos ao corpo”, disse Motani. Além disso, a cauda do talattossauro foi encontrada a poucos metros, o que dá crédito à ideia de que foi mordida e arrancada pelo predador. O ictiossauro, no entanto, provavelmente morreu logo após sua última refeição.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel