O Dia

Forças Armadas de sobreaviso contra protestos

Bolsonaro aciona Ministério da Defesa para o caso de manifestações como as que ocorrem no Chile

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, ontem, que o Ministério da Defesa foi acionado para deixar as Forças Armadas em sobreaviso em caso de manifestações no país semelhantes aos protestos no Chile e na Bolívia. O chefe de Estado e seus auxiliares temem confrontos violentos provocados pela polarização política no Brasil.

“A gente se prepara para usar o Artigo 142 da Constituição Federal, que é pela manutenção da lei e da ordem, caso eles (integrantes das Forças Armadas) venham a ser convocados por um dos três Poderes”, afirmou o presidente em viagem oficial ao Japão.

A avaliação considera a votação da constitucionalidade da prisão dos condenados em segunda instância pelo Supremo Tribunal Federal. O governo avalia que o resultado do julgamento pode levar a manifestações de apoiadores da Lava Jato e bolsonaristas. O jornal O Estado de S. Paulo mostrou, terça-feira, que grupos isolados de caminhoneiros ameaçam promover protestos caso a votação no STF possibilite a soltura de Lula.

Protestos no Chile

Nos últimos 15 dias, milhares de chilenos foram às ruas para protestar contra o aumento das tarifas de metrô, mas, a partir da última, as manifestações se tornaram violentas. Até o momento, 18 pessoas morreram e mais de 78 estações foram atacadas.

No sábado, o presidente chileno, Sebastián Piñera, revogou o aumento das passagens e decretou toque de recolher para as duas próximas noites. Mesmo depois das medidas, as manifestações continuam.