Geral

‘Foram 20 minutos sem poder fazer nada’, diz moradora vizinha de prédio que ruiu

Crédito: Reprodução / Facebook

Escombros de prédio que desabou em Fortaleza (Crédito: Reprodução / Facebook)

O comerciante João André Uchôa Gomes, de 40 anos, conta que estava no mercado do qual é dono, com um freguês, no momento que o prédio em Fortaleza, vizinho ao seu estabelecimento comercial, desabou. “Eu vi como se o prédio estivesse se quebrando ao meio.” Ele conta que conseguiu fugir por uma janela lateral. Depois disso, subiu uma poeira forte e, por isso, não conseguiu enxergar mais nada nem ajudar o cliente que estava com ele no estabelecimento – e tinha situação ignorada até a publicação desta matéria. Segundo Gomes, que teve ferimentos leves, vai ser difícil salvar qualquer coisa do mercadinho.

Já a advogada Rosa Monteiro Bruno, de 37 anos, confundiu o desabamento com uma ventania, inicialmente. “Eu estava no escritório, senti meu prédio balançar e vi uma rede no vizinho voar alto, depois subiu a nuvem de poeira”, recorda. Ela mora no 10.º andar de um edifício ao lado, com apenas duas casas de separação. E contou ter visto um homem descarregando um caminhão de água mineral bem onde os escombros caíram. “É um misto de angústia e impotência. Foram 20 minutos sem poder fazer nada. Percebemos que até mesmo os bombeiros estavam surpresos.”

Solidariedade

A Universidade de Fortaleza (Unifor) organizou um mutirão de voluntários com alunos e ex-alunos das áreas de Enfermagem, Psicologia e Medicina, além de ONGs e duas igrejas, para prestar socorro a parentes de vítimas. Até a noite desta terça, o saldo do desabamento era de nove feridos e nove pessoas desaparecidas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.