Esportes

Fluminense vence Santos no Maracanã e sobe para o 4º lugar no Brasileirão

Em um confronto direto por uma vaga no G4, o Fluminense se deu melhor. Com gols dos zagueiros Luccas Claro e Nino, ambos de cabeça, e outro de Marcos Paulo, derrotou o Santos por 3 a 1, neste domingo, no Maracanã, pela 18ª rodada, e ascendeu para a quarta colocação. O time carioca chegou aos 29 pontos, com dois a mais do que a equipe paulista, em sexto lugar e parado nos 27.

O gol do Santos foi marcado por Marinho, mais uma vez seu principal destaque na partida e que usou o numero 80 para homenagear Pelé, que celebrou seu aniversário na sexta-feira, e ainda comemorou o seu tento socando o ar, em uma referência ao Rei do Futebol.

Mas ele foi o único destaque de uma atuação apagada da equipe, pouca criativa no ataque, ainda que com dois gols anulados no segundo tempo, de Arthur Gomes e Soteldo. Além disso, o jogo ficou marcado pela estreia entre os profissionais de Ângelo, com apenas 15 anos, 10 meses e 4 dias, atrás apenas de Coutinho em precocidade no clube.

O Santos agora deixa o Nacional de lado, pois na quarta-feira receberá o Ceará, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. Já no sábado, receberá o Bahia, pelo Brasileirão, mesmo dia em que o Fluminense visitará o Fortaleza.

O JOGO – Para manter Laércio, alvo de elogios recentes do treinador e promover a entrada de Lucas Veríssimo, recuperado de lesão, Cuca fez improvisações no Santos: Luan como lateral-esquerdo e Felipe Jonatan no meio-campo, em um sinal de desprestígio dos armadores do elenco, especialmente Jean Mota, sacado da formação. As outras novidades foram Madson, na vaga do contundido Pará, Lucas Braga, substituindo Kaio Jorge, que está na seleção sub-20, e a volta de Marinho, livre de lesão.

Com essas mexidas, o Santos fez um início de jogo ruim. Era lento na articulação das jogadas e ainda dava espaços para o Fluminense. O time carioca fazia marcação forte e se aproveitou, só não abrindo o placar por três vezes graças a boas defesas de João Paulo em finalizações de Luccas Claro, Hudson e Caio Paulista.

Mas a estratégia de pressionar a saída de jogo do Santos surtiu efeito aos 28 minutos. Após receber passe de Michel Araújo, Danilo Barcelos cruzou na primeira trave, Fred desviou e Luccas Claro cabeceou para as redes: 1 a 0.

Só aí o Santos acordou. E com o talento de Marinho, o seu principal jogador. Foi dele o gol de empate, aos 35, completando um cruzamento rasteiro de Madson. Por duas vezes, ele ainda colocou Laércio em boas condições de finalizar após cobranças de escanteio, mas aí o gol não saiu, em uma delas por causa de boa defesa de Muriel.

Para o segundo tempo, o Santos trocou Laércio por Arthur Gomes, deixando de lado as improvisações. Mas nem teve muito tempo para se adaptar. Afinal, logo aos 9 minutos, voltou a ser vazado, após cobrança de falta de Danilo Barcelos, uma peça perigosa em jogadas de bola parada, e bate-rebate que terminou com o desvio de Nino para as redes.

Cuca tratou de promover mais mexidas no Santos, inclusive a entrada de Ângelo. Mas não conseguiu resolver o principal problema da equipe: a falta de criatividade. O Santos chegou a ter cinco atacantes em campo – Ângelo, Marinho, Soteldo, Arthur Gomes e Marcos Leonardo -, mas nem o recuo do Fluminense fazia o time crescer, sendo perigoso apenas em lances com a participação de Marinho, como em uma finalização aos 32 minutos.

O Fluminense ainda perdeu a chance de matar o jogo com Fred, que parou em João Paulo, aos 39. O gol não saiu nesse lance, mas aos 47 não houve jeito. Após defesas do goleiro santista, em jogada iniciada em cobrança de escanteio, Marcos Paulo empurrou para as redes: 3 a 1.

FICHA TÉCNICA:

FLUMINENSE 3 x 1 SANTOS

FLUMINENSE – Muriel; Igor Julião, Nino, Luccas Claro e Danilo Barcelos; Hudson, Dodi, Caio Paulista (Ganso), Michel Araújo e Nenê (Marcos Paulo); Fred (Yuri Lima). Técnico: Odair Hellmann.

SANTOS – João Paulo; Madson, Laércio (Arthur Gomes), Lucas Veríssimo e Luan Peres; Diego Pituca, Jobson (Alison, depois Marcos Leonardo) e Felipe Jonatan (Jean Mota); Lucas Braga (Angelo), Marinho e Soteldo. Técnico: Cuca.

GOLS – Luccas Claro, aos 28, e Marinho, aos 35 minutos do primeiro tempo; Nino, aos 9, e Marcos Paulo, aos 47 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Anderson Daronco (Fifa/RS).

CARTÕES AMARELOS – Hudson, Dodi e Michel Araújo (Fluminense); Felipe Jonatan, Arthur Gomes e Luan Peres (Santos).

LOCAL – Maracanã, no Rio (RJ).

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel