Esportes

Flamengo iguala marca de 23 anos atrás com nova derrota no Brasileiro

Rubro=-Negro não perdia os dois primeiros jogos da competição desde a temporada de 97

Flamengo iguala marca de 23 anos atrás com nova derrota no Brasileiro

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

A derrota vexatória do Flamengo para o Atlético-GO por 3 a 0, na última quarta-feira, trouxe na memória do rubro-negro o Brasileirão de 23 anos atrás. Desde 1997 que a equipe da Gávea não perdia os dois primeiros jogos da competição. Os Atléticos (mineiro e goiano) foram os algozes da atual temporada.

Em 97, o Flamengo era comandado por Sebastião Rocha e tinha em seu plantel nomes como Júnior Baiano e Iranildo. Na ocasião, o Rubro-negro estreou na competição nacional sendo derrotado no Maracanã pelo Santos por 3 a 2. Na partida seguinte, o resultado negativo veio na Fonte Nova, onde o Bahia levou a melhor por 1 a 0.

O próximo jogo do Flamengo será diante do Coritiba, neste sábado, às 19h30, no Couto Pereira. O time de Domènec Torrent irá em busca dos primeiros pontos no Brasileirão.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea