Filminho de pandemia

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)

No maravilhoso Uber de seu Carlos Domenichini, voando até Guarulhos, no meio de um trânsito que não melhora, tenho pesadelos incríveis.

Sonho com novas e avançadas políticas públicas que o nosso governo vai implementar.

A “Bolsa Revólver” que torna as armas mais baratas que o arroz. A “Liminar Dóriovac”, que promete proteção do Covid apenas a quem detestar Bolsonaro e “Postura Bolsovac” que faz o contrário aos fiéis do Dória.

Mas foi o “Marco da Sanfona”, esse que obriga os turistas a se beijar sem máscara no finzinho da pandemia que me causou calafrios.

Acordei de repente quando a chuva tornava tudo pior, mas a realidade no Brasil continua superando toda a imaginação.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

As armas ficaram mesmo mais baratas, mas a inflação vai bater recordes como há décadas se não via. A vacina vai mesmo virar um nojento boomerang político que envergonha o Brasil.

Em Brasília, como os donos das cadeiras presidências de Congresso e Senado vão mesmo ter que mudar, novos candidatos ao repasto se posicionam — e mais um triste espetáculo político se adivinha.

Um tal de Arthur Lira entrega a chapa prometendo aos cegos a luz e aos mancos o ouro olímpico.

A Bolsonaro ele promete a liberação das armas, moleza aos policiais envolvidos em casos de morte, a Escola Sem Partido e menos aborto. Aos ruralistas, aquela lei que legaliza as terras griladas na Amazônia. Ao Paulo Guedes, a nova CPMF. À turma do mercado financeiro, a reforma tributária e administrativa. Ao PSB, a manutenção da lei eleitoral e ao PT a Ficha Limpa para voltar a por Lula lá em 2022. Alguém fala que Lira está mentindo, mas ele apenas está surtando.

No record de mortes, o presidente Bolsonaro fala do “finzinho” da pandemia e no mesmo dia o novo ministro do turismo – empresário e sanfoneiro  — pede que todo o mundo saia à rua e não exista lock down.

No meio desta loucura a gente ainda fica sabendo que a Agência Secreta, ABIN, está trabalhando — pouco secretamente — para ajudar o Flávio Bolsonaro nos seus problemas com a justiça. Vejam só. o campo ‘finalidade’ do documento foi preenchido com a inscrição: “Defender Flávio Bolsonaro no caso Alerj demonstrando a nulidade processual resultante de acessos imotivados aos dados fiscais de FB”. A ABIN é dele.

Ainda sem chegar a Guarulhos percebo que nenhum pesadelo é pior que a realidade e, enquanto fecho os olhos procurando o sono do apocalipse, ouço a melodia incrível de um ministro sanfonando Ave Maria.

No Brasil a coisa não é fácil. Mas, se não fosse seu Carlos, segurando as pontas, trabalhando honestamente, descobrindo o melhor caminho, tudo seria ainda pior.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.