Edição nº2603 14/11 Ver edições anteriores

Filhocracia

O governo Bolsonaro ainda não completou um ano e já vive uma crise de tal monta que os próprios aliados do PSL começam a sussurrar pelas tavernas que o atual presidente tem cometido desmandos políticos que podem levá-lo a flertar com o impeachment. E, por trás de todos os inúmeros conflitos que envolveram seu tenro governo, estão, nada mais, nada menos, do que seus três filhos políticos. Os três patetas da sessão da tarde jogam a administração do pai literalmente em um beco sem saída: o isolamento político. Até os mais fieis colaboradores estão abandonando o barco do capitão reformado, que a essa altura está à deriva.

Basta relatar como os três filhos estimularam o pai a detonar a luta fratricida pelo poder no PSL. Seus 53 deputados votaram, até aqui, em 100% dos projetos governamentais, como a Reforma da Previdência.

Os demais votos necessários para a aprovação da mudança nas aposentadorias vieram do “centrão”, ou seja, do DEM, PR, PP, PSD, PTB – partidos sob influência do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Não fosse ele, a reforma não teria sido aprovada. Até porque, o esforço de Bolsonaro nesse sentido foi zero. Os poucos lideres do PSL que se empenharam no projeto foram a deputada Joice Hasselmann, o Delegado Waldir e o senador Major Olímpio.

E o que fizeram os filhos do presidente? Confusões. Primeiro, o deputado Eduardo detonou Joice, derrubando-a da liderança do governo no Congresso. Ele achincalhou-a com memes nas redes sociais, comparando-a a uma porca. Nessa baixaria, Eduardo usou sua rede de perfis fakes na Internet, operados por seus assessores, pagos com dinheiro público. Para quem não sabe, fake news é crime. Depois, Eduardo tomou o lugar do Delegado Waldir na liderança do PSL na Câmara, com o pai presidente oferecendo cargos no governo aos deputados do PSL que votaram no nome do 03. Isso, de acordo com o próprio Delegado Waldir, configura desrespeito à Constituição. E comprar votos, afinal, também é improbidade administrativa.
O deputado Waldir, que era um dos maiores amigos de Jair, virou inimigo. Na mesma balada, o outro filho, o vereador Carlos, chamou o senador Major Olímpio de “canalha”, “bobo da Corte” e outras coisas piores. Olímpio sempre foi o maior defensor de Bolsonaro no Senado e, certamente, não merecia esse tratamento. É a filhocracia minando o pai. Nem os filhos de Lula atrapalharam tanto um governo, como declarou em julho à ISTOÉ o advogado Gustavo Bebianno, ministro da Secretaria de Governo que foi defenestrado por Bolsonaro, a pedido de Carluxo. De molecagem em molecagem, os filhos fragilizam politicamente o pai. E ainda faltam três anos para terminar o governo.

Os três patetas da sessão da tarde jogam a administração do pai literalmente em um beco sem saída


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.